Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

A festa volta ao Rio com os atletas paralímpicos

Começa nesta quarta-feira a Paralímpiada do Rio 2016

Os 4.350 atletas de 176 países representam um novo recorde de participação

Paralimpíadas 2016 atletas paralímpicos
Atleta paralímpico nesta terça-feira, no Rio de Janeiro. Getty Images

Recebidos com samba e voadoras, os mais de 4.000 atletas portadores de deficiência visual, física, intelectual ou paralisia cerebral já estão no Rio de Janeiro para a abertura dos XV Jogos Paralímpicos. A chama olímpica arderá novamente no alto do estádio do Maracanã e a cidade deslocará mais uma vez a sua rotina diária para o esporte, entre 7 e 18 de setembro.

Antes mesmo da inauguração oficial, vários recordes já foram batidos. Estão inscritos 4.350 atletas de 176 países, os números mais altos da história dos Jogos Paraolímpicos. Para os amantes das estatísticas: são 36 a mais do que Pequim 2008 e 12 a mais do que Londres 2012. A segunda marca a ser registrada pelo Guinness são as 22 modalidades esportivas que fazem parte do programa das competições, duas a mais do que na edição anterior, tendo a canoagem e o triatlo como novidades.

Apesar das dificuldades econômicas do Comitê Rio 2016, que viu perigar a realização do evento, os anfitriões confiam no impulso dado pelos meios de comunicação e pelo público aos Jogos Paraolímpicos. Ainda assim, os ajustes orçamentários envolvem cortes que já são inevitáveis. A redução do pessoal e das entradas previstas para os Jogos, o fechamento de alguns centros de imprensa e áreas de competição, a redução de serviços, como o de transporte, de todos os locais de competição ajudarão a equilibrar as combalidas contas da organização. O presidente do Comitê Paraolímpico Internacional (IPC), Phil Craven, descreveu a situação do Rio 2016 como a maior crise da história dos Jogos. “Nunca, em 56 anos de história, tínhamos enfrentado circunstâncias como estas”, disse há algumas semanas.

Entre as soluções previstas, o IPC acordou com a prefeitura do Rio um financiamento adicional de 150 milhões de reais. O Governo brasileiro também permitirá que empresas estatais aportem mais 100 milhões na forma de patrocínio.

Na segunda-feira a organização comemorava a venda de 1,5 milhão de entradas – cujos preços variam de 10 a 1.200 reais –, um bom impulso nas vendas, considerando que há algumas semanas os torcedores só tinham comprado 10 % dos quase 2,5 milhões de ingressos. Os esportes mais procurados são natação, atletismo, basquete em cadeira de rodas, futebol de 5 e vôlei sentado.

Os hotéis têm, até agora, pouco a comemorar. Se nos Jogos Olímpicos conseguiram ocupar quase todos os quartos durante três semanas, a dois dias da cerimônia de abertura dos Jogos Paraolímpicos a ocupação não chegava a 50%. Nem mesmo no bairro da Barra da Tijuca, o bairro do Parque Olímpico e o mais procurado, a demanda não supera os 70%.

Os heróis brasileiros

A delegação brasileira, sétima nos Jogos de Londres em 2012, com 43 pódios, desembarcou no Rio com 286 atletas – o maior número da historia –, uma equipe com fome de medalhas e que pretende fechar este ciclo olímpico entre as cinco grandes potências esportivas. Há muita confiança depositada nos brasileiros e antes mesmo da realização dos Jogos Olímpicos, nos quais o Brasil não alcançou o objetivo do Comitê Olímpico Brasileiro de se classificar entre os 10 primeiros, alguns especialistas já alertavam que os verdadeiros heróis esportivos do Brasil seriam os atletas paraolímpicos.

“É quase certo que podemos ficar em quinto e até em quarto lugar. No Brasil, o esporte paraolímpico está fortemente associado a instituições privadas que, com patrocinadores, conseguem planejar e obter bons resultados. Não podemos superar grandes potências como China ou os Estados Unidos, mais o resultado será melhor do que nos Jogos Olímpicos”, avalia Lamartine da Costa, organizador do Atlas do Esporte no Brasil e do livro O Futuro dos Megaeventos Esportivos.

Há pelo menos sete disciplinas em que o Brasil tem possibilidades. Na natação, as expectativas recaem sobre os ombros de Daniel Dias, o maior medalhista país, que ganhou – nada mais, nada menos – que seis ouros em Londres. André Brasil, dois ouros e duas pratas em Londres, é outro favorito.

O atletismo tem uma das suas estrelas, Terezinha Guilhermina, que, sem visão e conduzida por seu guia, ganhou duas medalhas de ouro em Londres. Petrucio Ferreira, recordista mundial, e Yohansson Nascimento, campeão paraolímpico e mundial, formam a dupla de velocistas que busca uma medalha nos 200 metros na classe T47, cujos atletas são amputados de um dos braços, acima ou abaixo do cotovelo. Felipe Gomes, atual campeão paraolímpico dos 200 metros na classe T11 (deficiência visual total), também pretende defender seu título, assim como Alan Fonteles, que pulveriza recordes mundiais de velocidade e, com suas próteses de fibra de carbono, venceu em Londres nos 200 metros o famoso e condenado Oscar Pistorius.

No futebol de 5, a versão para deficientes visuais, o Brasil também é campeão, assim como a equipe de goalball, ouro em Toronto em 2015, e os atletas de bocha, praticada por esportistas com alto grau de paralisia cerebral ou deficiências severas, entre os quais há uma boa lista de medalhistas de Londres como Maciel Santos, Dirceu Pinto e Eliseu dos Santos. A esgrima em cadeira de rodas, o voleibol sentado e o judô também apostam em medalha.

Uma cerimônia mais humana

A cerimônia de abertura oferecerá ao mundo a montagem ao vivo de uma gigantesca obra de arte de 500 peças do criador brasileiro Vicente José de Oliveira Muniz, conhecido como Vik Muniz. Será uma cerimônia muito mais “humana e multissensorial”, na qual não faltarão samba e exibições de atletas paraolímpicos.

“Nossa prioridade é dar valor à humanidade, transmitir uma mensagem de tolerância e impactar os sentidos. Teremos um espetáculo de dança cuja intenção não é mostrar uma história, mas emocionar”, explicou em uma entrevista coletiva Marcelo Rubens Paiva, um dos diretores de criação do evento.

O diretor das cerimônias do Rio 2016, Leonardo Caetano, afirmou que a equipe de logística da cerimônia será semelhante à usada nos Jogos Olímpicos, com cerca de 2.000 técnicos, 2.000 voluntários e 500 artistas, incluindo 78 bailarinos profissionais e duas companhias de bailarinos em cadeira de rodas.

Começam 11 dias de competição para alcançar a glória sonhada durante anos de treinamento duro. Esporte em estado puro, alta competição sem mais adjetivos. No Rio, a deficiência não é um estigma social, mas o motor de arranque dos XV Jogos Paraolímpicos.

MAIS INFORMAÇÕES