Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Apoio à democracia cai na América Latina com economia fraca e corrupção

Brasil lidera a queda no apoio ao regime democrático: passou de 54% em 2015 para 32% neste ano. País é o que tem a menor taxa de confiança entre as pessoas

Manifestantes contra e a favor do impeachment, em São Paulo (à esq.) e em Brasília.
Manifestantes contra e a favor do impeachment, em São Paulo (à esq.) e em Brasília. EFE

A crise econômica, os escândalos de corrupção e a insatisfação com os serviços públicos estão fazendo estragos na opinião que os latino-americanos têm da democracia, um regime que se consolidou em quase toda a região, mas cujo exercício não consegue satisfazer os cidadãos. De acordo com o Latinobarómetro –um prestigioso estudo regional que está completando 20 anos e analisa 20.000 pesquisas realizadas nos 18 principais países da América Latina–, o apoio à democracia caiu novamente em 2016. O respaldo passou de 56% para 54%. E o que é mais grave, cresceu a porcentagem daqueles que respondem ser “indiferentes” se há um regime democrático ou não, passando de 20% para 23%. É o máximo de indiferentes nos 21 anos do Latinobarómetro. Em 14 dos 18 países pesquisados a popularidade dos Governos está abaixo dos 50%.

O Brasil lidera o pessimismo com a democracia: o apoio a esta forma de poder diminuiu 22 pontos porcentuais no país, passando de 54% em 2015 para 32% neste ano. Numa lista de 18 países, o Brasil é o segundo país mais pessimista, à frente apenas da Guatemala (30%). O Brasil só havia atingido uma marca tão baixa em 2001, quando chegou a 30%. Foi um ano de economia fraca e do apagão nacional de energia, que tirou o humor dos brasileiros. Agora, a crise política e os escândalos de corrupção podem explicar o desânimo nacional. Esse contexto explica também outro indicador da pesquisa: o Brasil é o país com menos confiança interpessoal do continente, com meros 3%, enquanto a média do continente é de 17%. “Nunca havia sido registrado um país sem confiança interpessoal desde que esta série começou a ser medida [em 1995]. Sem dúvida, a crise política que o Brasil vive é um dos fatores que explica esse dado”, diz o relatório.

Nas entrevistas, a pergunta feita aos participantes é: Você acredita que é possível confiar na maioria das pessoas ou que a gente nunca é suficientemente cuidadoso no trato com os demais?

O Chile é outro país que registrou uma queda significativa no apoio à democracia, passando de 65% para 54%, um recuo de 11 pontos porcentuais, seguido por Uruguai (-8 pontos porcentuais), Venezuela e Nicarágua (-7) e El Salvador (-5).

O único dado positivo da pesquisa Latinobarómetro é que não cresceram, mas diminuíram ligeiramente, os que apoiam um “regime autoritário”, que passaram de 16% para 15%.

Este é o quarto ano consecutivo que, apesar dos teóricos avanços e da chegada de novas gerações que nasceram na democracia, o apoio a esse regime não melhora. “O apoio à democracia na América Latina tem três pontos baixos nestes 21 anos que o Latinobarómetro mede esse indicador: a crise asiática em 2001, quando atingiu 48%, e em 2007 e 2016 com 54%”, explicam as conclusões. Pode-se dizer que “o paciente está em estado delicado, com algumas recaídas”, insiste a análise.

Os autores do estudo, dirigido pela chilena Marta Lagos, interrogam sobre as causas e encontram algumas nos dados analisados. “Depois de 21 anos monitorando o apoio à democracia, a situação é pior do que no início. O que aconteceu com a região, além de entrar num período de baixo ou nenhum crescimento econômico? Será que o ciclo econômico impede o avanço do processo de consolidação da democracia? Os dados sugerem algo diferente porque o apoio à democracia aumentou durante a crise do subprime em 2008 e 2009, quando a economia estava indo na direção oposta e atingiu um pico em 2010, com 61%. Só a partir de 2010 aconteceu uma queda, o que indicaria que a economia não é o único fator que influi”, apontam.

O estudo procura outra origem da insatisfação: “É possível argumentar como explicação que, enquanto as desigualdades não forem eliminadas não se conseguirá essa consolidação. Os êxitos de Equador e Bolívia podem ser interpretados nesse sentido. É possível avançar bastante em termos de mudanças normativas, inclusão e progresso econômico, mas esse processo parece ter um teto em termos de extinção das desigualdades”.

Há um dado muito claro. “Entre 2004 e 2011 aumentou de 24% para 36% a percepção de que se governa para todo o povo, mas, desde então, esse indicador veio caindo até atingir apenas 22% em 2016, o número mais baixo em 12 anos. No Brasil, Paraguai e Chile apenas 9% e 10% acreditam que se governa para todas as pessoas. Em 2016 chegam a um máximo de 73% os cidadãos da região que acreditam que se governa em benefício de alguns grupos poderosos. Esse indicador é de 88% no Paraguai, 87% no Brasil e no Chile, 86% na Costa Rica, 84% no Peru, 82% na Colômbia e 80% no Panamá”.

O Latinobarómetro analisou a situação país por país. E detectou que nenhum presidente é forte na região, o que condiz com a queda do nível de apoio à democracia e com essa decepção generalizada. “Poderíamos dizer que nenhum presidente latino-americano conta hoje com capital político acumulado para gastar. Em 2009, havia 6 presidentes com mais de 70% de aprovação e apenas 2 com menos de um terço. Hoje, em média, desde 2010 a aprovação dos governos da região caiu de 60% para 38%, uma perda de 22 pontos percentuais. A aprovação ao governo em 2016 é mais parecida com a de 2002 e 2003, quando a América Latina estava saindo da crise asiática”, explica.

Na análise dos dados conclui-se que a sociedade mudou. “O que era tolerável 5 anos atrás, hoje não é. As pessoas aspiram, principalmente, a que haja soluções concretas para problemas concretos e que sejam aplicadas imediatamente porque não estão dispostas a esperar as soluções prometidas para depois de amanhã”.

Uma prova de que a democracia tem problemas na região é que muitos latino-americanos aceitam algum grau de autoritarismo. Por exemplo, “um terço da região (30%) afirma que está certo que o presidente controle os meios de comunicação em caso de dificuldades”. “Novamente é nos países da América Central onde existe maior apoio a essa afirmação, como na Guatemala (51%), e novamente é o Chile o país onde há menos adesão a isso (17%)”, conclui. Outro item na mesma linha é o apoio à “mão pesada” contra a liberdade. Mas existem muitas diferenças. Em países como a República Dominicana, 82% das pessoas apoia a mão pesada, enquanto no Brasil cai para 42%.

A insatisfação também é explicada em parte pela lista dos principais problemas. O crime é considerado o problema mais importante por 22% dos latino-americanos, mas se os problemas de natureza econômica forem acrescentados fica ligeiramente acima como primeiro problema. Mas há muitos países onde a insegurança é o principal problema: Honduras, Panamá, Guatemala, República Dominicana, Chile, México, Colômbia, Peru, El Salvador e Uruguai. No Brasil, pelo contrário, a saúde é a principal preocupação; para os bolivianos é a corrupção e para os argentinos é o estado geral da economia.

MAIS INFORMAÇÕES