Turquia

Por terra e ar, Turquia ataca o último bastião fronteiriço do Estado Islâmico na Síria

Objetivo é impedir que as tropas curdas controlem essa localidade estratégica

Tanques turcos na localidade de Karkamis, na fronteira com a Síria.AP / VÍDEO: REUTERS-QUALITY

MAIS INFORMAÇÕES

A operação, batizada como Escudo do Eufrates, começou às 4h desta quarta-feira (22h de terça pelo horário de Brasília) com bombardeios envolvendo a Força Aérea turca e caças da Coalizão Internacional contra o EI, liderada pelos EUA. Além das peças de artilharia instaladas ao redor da localidade turca de Karkamis (fronteiriça com Síria), que nos últimos dias haviam respondido aos mais de dez disparos feitos contra o território turco, vários tanques foram mobilizados junto à fronteira, e alguns deles chegaram a penetrar no território sírio. Uma área de 140 quilômetros quadrados ao redor de Karkamis foi declarada “Zona Especial de Segurança”, e seus habitantes foram retirados.

Além disso, um número indeterminável de boinas vinho – as forças especiais da Turquia – teria entrado no território sírio para ajudar a artilharia turca a localizar possíveis alvos do EI, relatou uma fonte de segurança ao EL PAÍS. Também estão sendo usados drones para descobrir as posições dos jihadistas. Segundo as Forças Armadas turcas, 12 alvos jihadistas foram “neutralizados” pelos bombardeios aéreos nas primeiras horas, e outros 70 por fogo de artilharia.

“Nosso Exército iniciou esta operação dirigida contra os grupos que nos ameaçam, o Daesh (ISIS) e o PYD (o principal partido curdo da Síria, que comanda as tropas YPG)”, disse o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, em um pronunciamento público: “É hora de pôr um ponto final nos ataques que sofremos a partir da Síria”.

O objetivo militar dos bombardeios é abrir passagem para que as forças rebeldes sírias apoiadas pela Turquia penetrem em Jarablus e tomem a cidade. Segundo a CNN-Türk, entre 750 e 2.000 efetivos de várias facções do Exército Livre Sírio (ELS) foram treinados nos últimos meses em Fistikli, localidade turca na zona de segurança militar.

“Tomamos a decisão [de atacar Jarablus] com as forças da coalizão e estamos trabalhando nisso com a oposição moderada síria”, explicou o ministro do Interior Efkan Ala: “Não se permitirá que a organização terrorista (ISIS) use esse território para infiltrar-se na Turquia”. No sábado passado, um atentado suicida atribuído ao ISIS matou 54 pessoas em uma festa de casamento em Gaziantep.

A jornalista da CNN-Türk, Hande Firat, com bons contatos no Executivo turco, afirmou que a operação de Jarablus é um primeiro passo do plano turco, longamente anunciado, mas nunca aplicado até agora, de criar uma zona de segurança entre as cidades sírias de Jarablus e Marea em colaboração com os rebeldes sírios. O objetivo dessa espécie de zona tampão é duplo: evitar que o ISIS controle a fronteira turco-síria e que as tropas curdas das YPG (Unidades de Proteção Popular) tomem a região, de maioria árabe e turcomena.

A Turquia tinha deixado claro que não permitiria que as tropas curdas “avançassem a oeste do rio Eufrates” em sua investida contra o Estado Islâmico. No entanto, as Forças Democráticas Sírias (SDF), uma coalizão curdo-árabe liderada pelas YPG, atravessaram esse rio com apoio dos Estados Unidos para conquistar a cidade de Manbij, controlada pelo ISIS. Ancara afirmou então que Washington tinha prometido que os curdos das SDF se retirariam para leste do Eufrates depois que Manbij fosse liberada, mas, em vez disso, a tropa curdo-árabe continuou avançando, o que teria convencido a Turquia a intervir em Jarablus.

Arquivado Em: