Atentado em Nice

Álcool, haxixe e jogo, os vícios do autor do massacre

Vizinhos do suposto terrorista, denunciado por maus tratos e outros crimes, acreditam que ele não era um religioso fanático

Jabeur Lahouaiej Bouhlel, irmão de Mohamed Lahouaiej Bouhlel. ZOUBEIR SOUISSI (REUTERS) / ATLAS (atlas)

Mais informações

Um sujeito instável, violento, divorciado por ter agredido a mulher e viciado em jogo. Assim Mohamed Lahouaiej Bouhlel, 31 anos, é descrito pelos moradores dos dois imóveis onde o suposto terrorista viveu nos últimos anos. No meio da manhã, toda a vizinhança já sabia que havia convivido com o autor do massacre de 14 de julho, sobre o qual antes sabiam apenas que era motorista de caminhão –de mudança, segundo alguns, e com licença para dirigir veículos pesados—e que tivera problemas sérios com a ex-mulher. A maioria, como Serge, seu vizinho de andar, o via como uma pessoa esquisita, um sujeito que “nunca cumprimentava”, mas, de modo algum, um religioso fanático.

O suposto terrorista morou até alguns meses atrás com sua mulher, também tunisiana, e seus dois filhos, no 12º andar de um edifício do bairro de Le Rouret, uma região operária de Nice habitada majoritariamente por imigrantes. Há algum tempo, divorciou-se, segundo contam os vizinhos, depois de agredir a esposa em várias ocasiões. “Era um sujeito estranho, quase nunca cumprimentava ninguém. Dava a sensação de ser meio instável”, contava um morador enquanto um grupo serralheiros deixava o local depois de arrumar a porta que a polícia havia arrombado.

Moram no prédio dezenas de pessoas de diversas nacionalidades, em sua maioria africanas, conta uma moradora francesa. No alto, ao final de uma viagem de 12 andares a bordo de um elevador caindo aos pedaços que para várias vezes durante o trajeto, o irmão de sua ex-companheira –que, naquele momento estava na delegacia prestando depoimento—tomava conta da porta, para que ninguém entrasse. “Vá embora daqui, somos da família dela, não temos nada a ver com isso”.

Interior do apartamento onde vivia Mohamed Lahouaiej Bouhlel em Nce.
Interior do apartamento onde vivia Mohamed Lahouaiej Bouhlel em Nce.DANIEL VERDÚ

A comunidade muçulmana da região tampouco tinha qualquer informação de que ele fosse religioso. Abdu, um muçulmano que naquela hora tinha acabado de fazer sua oração na mesquita, não tem nenhuma dúvida. “Nunca o vi no templo, nós o conheceríamos se ele fosse muçulmano. De qualquer maneira, não era praticante, e sabemos que bebia. Tinha muitos problemas com a mulher, por isso se divorciaram”, comentou na entrada do edifício, de onde alguns moradores começavam a jogar ovos na direção dos jornalistas que se aproximavam. Um vizinho “bastante conflituoso” e com tendência a dar “pequenos golpes”, segundo a senhora Pardo, moradora do mesmo bloco que Lahouaiej Bouhlel.

Quando o suposto terrorista se divorciou da mulher, meses atrás, foi morar na Route de Tourin, em frente dos antigos matadouros. Nesta sexta-feira à tarde, era possível subir até o seu andar e olhar, através da fechadura arrebentada, o pequeno local, totalmente bagunçado em função da revista feita pela polícia algumas horas antes. Jamal, um dos moradores, contava, na porta, a impressão que tinha do homem e também negava que ele fosse muçulmano praticante. “Era um sujeito violento, meio agressivo. Outro dia, me disse que tinha perdido 2.500 euros no cassino. Gostava de beber e de fumar haxixe. Pouco tempo atrás, ele me contou que tinha tido muitos problemas com a polícia e que tinha sido detido”, contava esse morador, na porta do prédio.

Aparentemente, uma de suas paixões era andar em uma bicicleta de corrida que carregava sempre nos ombros pela escadaria do edifício. Falava pouco, mas deixara uma impressão muito clara aos olhos dos vizinhos. Uma outra moradora, que mora no andar de cima, insistia em dizer que se tratava muito mais de um louco do que de um religioso fanático. “Era maluco. Quem faria uma coisa dessas se não fosse louco? Estava sempre cheirando à bebida e, é claro, não usava barba. Se era muçulmano, com certeza era um mau muçulmano”.