Ataque do Estado Islâmico deixa 20 estrangeiros mortos em Bangladesh

Vários homens armados mantiveram as vítimas como reféns em um restaurante na região diplomática da capital Dacca

Homem ferido é atendido perto do restaurante atacado.
Homem ferido é atendido perto do restaurante atacado.Getty Images (Getty Images)

Um comando jihadista invadiu nesta sexta-feira um restaurante de uma região diplomática de Dacca (Bangladesh) e, após 12 horas, matou 20 estrangeiros que mantinha como refém, segundo confirmou o Exército do país. Dois agentes policiais morreram no ataque inicial. As autoridades ainda não detalharam quais são nacionalidades das vítimas, mas, segundo as forças armadas, a maioria são "japoneses ou italianos". O Estado Islâmico reivindicou a autoria do ataque.

As forças de segurança conseguiram entrar no local e resgatar 13 reféns (incluindo dois do Sri Lanka e um do Japão), segundo as autoridades locais. Seis homens armados foram abatidos na operação e outro mais foi detido, segundo explicou a primeira-ministra Sheij Hasina.

Mais informações

“Chegaram 28 feridos e dois deles morreram”, disse Miraz Ul Islam, gerente do United Hospital, localizado no bairro abastado de Gulshan, onde ocorre o ataque, e para onde está sendo transferida grande parte das vítimas, em sua maioria policiais, de acordo com os meios de comunicação locais.

A agência de notícias Amaq, vinculada à organização terrorista, informou que os responsáveis pelo ataque pertencem ao Estado Islâmico, segundo o portal SITE, que analisa informações jihadistas na Internet.

Um funcionário entrou em contato com a mídia local e informou que vários homens armados com pistolas, espadas e explosivos haviam entrado por volta das 20h45 (horário local) na padaria Holey Artisan. No momento da invasão, 20 pessoas, na maioria estrangeiras, estavam nas instalações e ficaram detidas no restaurante vizinho O'Kitchen.

“Gostaríamos de resolver a situação pacificamente. Peço a todo mundo para manter a calma e para não entrar em pânico”, pediu o responsável do Batalhão de Ação Rápida, Benazir Ahmed. As forças especiais se reuniram na região para uma possível invasão, mas por enquanto tentavam negociar uma solução.

Bangladesh tem sofrido nos últimos meses uma série de ataques violentes tendo como alvo blogueiros, ateus e minorias religiosas. No entanto, na maioria dos casos, os autores utilizam facas em vez de armas de fogo.

As embaixadas da Espanha e dos Estados Unidos em Bangladesh divulgaram mensagens por meio de redes sociais alertando seus cidadãos para evitarem a área, localizada na zona diplomática da capital do país.

"Ante a incerteza que ronda os acontecimentos violentos, possivelmente de natureza terrorista, que estão ocorrendo em e ao redor do restaurante Holey Bakery na rua 79 de Gulshan 2, se pede aos espanhóis evitar a zona", alertou a missão diplomática espanhola no Facebook.