'Brexit'

Boris Johnson abre mão de suceder Cameron como premiê do Reino Unido

Ex-prefeito de Londres, favorito ao cargo após a vitória do Brexit, sai da disputa no mesmo dia em que seu aliado Michael Gove lança a própria candidatura

Boris Johnson, nesta quinta-feira.
Boris Johnson, nesta quinta-feira.TOBY MELVILLE (REUTERS)

A desistência de Johnson faz com que Gove e a ministra do Interior, Theresa May, se tornem os favoritos. May defendeu a permanência da União Europeia, mas sem participar do núcleo da campanha. Liam Fox, ex-ministro da Defesa, Andrea Leadson, ministra da Energia, e Stephen Crabb, ministro da Previdência, também concorrem.

Mais informações

Gove anunciou sua candidatura de surpresa, com uma mensagem em que se distanciou de Johnson, teoricamente seu aliado. Gove, que liderou com Johnson a campanha pela saída britânica da União Europeia, inicialmente parecia ser o principal baluarte da candidatura do ex-prefeito de Londres, apesar da falta de confiança de ambos quanto a futuros acordos, como demonstrou um email escrito pela mulher do agora candidato, acidentalmente vazado.

“Eu disse em repetidas ocasiões que não quero ser primeiro-ministro. Essa sempre foi a minha ideia, mas os acontecimentos da última quinta-feira [dia do referendo] pesaram enormemente”, afirmou o ministro, em nota na qual salientou que “o povo britânico votou pela mudança”. Gove gostaria de “ajudar a montar uma equipe” ao lado de Johnson, mas conclui que o ex-prefeito “não tem como oferecer liderança e construir uma equipe para as tarefas pendentes”. O ministro prometeu trabalhar pela “unidade” e “mudança” na Grã-Bretanha, segundo a BBC.

Quem também anunciou sua candidatura nesta quinta-feira foi Leadson, titular da pasta da Energia. “Vamos aproveitar ao máximo as oportunidades do Brexit”, afirmou ela pelo Twitter, rompendo seu silêncio dos últimos dias.

Fox, ex-ministro da Defesa, antecipou na quarta-feira que se apresentaria na corrida por Downing Street, que teve Crabb, atual responsável pela Previdência, como primeiro postulante.

Os deputados tories têm até o começo da tarde desta quinta (hora local) para se candidatar à sucessão de Cameron, que anunciou sua renúncia na sexta-feira, horas depois da divulgação do resultado do referendo.

O próximo líder tory, que será também nomeado primeiro-ministro, deverá ser eleito em 9 de setembro, poucas semanas antes do congresso anual do partido, marcado para o começo de outubro na cidade inglesa de Birmingham.