Brexit

Petição por novo referendo supera o mínimo necessário para ser considerada no Parlamento

Solicitantes querem a repetição do plebiscito já que o ‘Brexit’ não obteve 60% dos votos

Partidário da permanência protesta junto ao Parlamento, em Londres.
Partidário da permanência protesta junto ao Parlamento, em Londres.Dan Kitwood (Getty Images)

MAIS INFORMAÇÕES

A iniciativa popular pela repetição do referendo pela permanência do Reino Unido na União Europeia (UE), que a sexta-feira conseguiu derrubar o site do Parlamento britânico, já superou 1,5 milhão de assinaturas. A petição, apresentada ao Parlamento antes do plebiscito, pretende criar uma legislação para que esses tipos de consulta sejam realizados novamente se a decisão majoritária não for apoiada por mais de 60% do total de votos e se o comparecimento às urnas for inferior a 75% do eleitorado. O referendo do Brexit, com 51,9% a favor da saída e um comparecimento de 71,8% não superaria esse requisito e, segundo os assinantes da petição, deveria ser novamente convocado.

Em poucas horas, o site com a petição conseguiu reunir mais de 135.000 assinaturas. Às 17h deste sábado (13h em Brasília), a solicitação já superava 1,6 milhão de adesões. O Parlamento britânico estabelece que se uma iniciativa popular reunir pelo menos 10.000 assinaturas, os peticionários devem receber uma resposta do Governo. Caso o número passe de 100.000, o Parlamento tem que considerar a proposta em plenário. A queda do site, que passou vários momentos da manhã de sexta-feira inacessível, ocorreu por causa da enorme quantidade de assinaturas recebidas.

Apesar de ser a mais agregadora, esta não é a única iniciativa online surgida no dia do Brexit. Outra petição, que superou 7.000 assinaturas, solicita ao Parlamento que declare a data de 23 de junho como o “Dia da Independência Britânica”, com a intenção de comemorar anualmente a saída do bloco europeu. “O Reino Unido voltará a ser um país livre pela primeira vez desde 1974”, afirma a petição.

A página do governo britânico fora do ar.
A página do governo britânico fora do ar.

Arquivado Em: