ZIKA VÍRUS

OMS ‘receita’ dois meses sem sexo ou fazê-lo com proteção ao retornar de áreas com Zika

A Organização Mundial da Saúde duplica o tempo de segurança para evitar a transmissão sexual

Área de Recife, cidade afetada pelo vírus. Quality (reuters_live)
Agencias

Quem viaja para áreas atingidas pelo zika vírus deve deixar de ter relações sexuais ou praticá-las de forma segura (com proteção profilática), pelo menos durante as oito semanas seguintes ao retorno a casa para evitar a transmissão sexual do vírus, recomendou na terça-feira a Organização Mundial da Saúde (OMS). Esse prazo duplica o período de um mês de práticas sexuais seguras ou de castidade que até então a OMS “receitava”, porque, garante a entidade, novos estudos demonstram que o vírus pode sobreviver no esperma mais tempo do que se pensava.

Mais informações

A recomendação é endereçada apenas aos homens e mulheres que não apresentam sintomas do vírus, que os cientistas acreditam ser o responsável pelo aumento –na América Latina– dos casos de microcefalia, um grave defeito congênito que faz com que bebês nasçam com cabeça e cérebros descomunalmente pequenos.

No caso em que o parceiro masculino já tenha mostrado sintomas de Zika, então a abstinência e a proteção devem ser observadas durante seis meses, “para garantir que a infecção tenha deixado o corpo e o vírus não seja transmitido para a parceira...”, segundo explicou à imprensa o porta-voz da OMS Cristiano Lindmeier.

Como até agora, as mulheres que estão grávidas ou tentando engravidar devem evitar viajar para áreas afetadas pelo Zika, e se seu parceiro viajou para uma região afetada, o casal deve praticar sexo seguro ou abster-se durante o resto da gravidez, acrescentou a OMS.

Ainda não está claro quanto tempo o vírus pode permanecer nos fluidos corporais, mas um relatório publicado neste mês mostrou que o esperma de um homem que retornou ao Reino Unido vindo da Ilha de Cook manteve-se positivo para o vírus 62 dias depois de os sintomas terem sido detectados. O Zika é transmitido principalmente por duas espécies do mosquito Aedes, mas também foi demonstrado que pode ser transmitido por contato sexual.

A OMS alertou na terça-feira que “a crescente evidência comprovou que a transmissão sexual do Zika vírus é possível e muito mais comum do que se pensava”.

Para as pessoas que vivem em áreas onde o Zika vírus está se espalhando, o controle da propagação é obviamente mais complicado. A OMS recomenda que nessas áreas as mulheres adiem a gravidez, e que as mulheres que tiveram relações sexuais desprotegidas e não queiram engravidar devem ter “acesso imediato à contracepção de emergência e ao aconselhamento”.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete