Medidas do Governo Temer que podem afetar a sua vida

Nova equipe começa a anunciar as linhas gerais da nova gestão

Presidente Michel Temer ao lado de Eliseu Padilha e Henrique Meirelles.
Presidente Michel Temer ao lado de Eliseu Padilha e Henrique Meirelles.Mario Tama (Getty Images)

Após a primeira reunião ministerial do Governo do presidente interino Michel Temer, a nova equipe começou a anunciar as linhas gerais da nova gestão. Nesta sexta-feira, vários ministros concederam entrevistas coletivas para falar sobre os planos e medidas para os próximos meses. O primeiro a se pronunciar foi Henrique Meirelles, da Fazenda. Os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, do Planejamento, Romero Jucá, e da Saúde, Ricardo Barros, falaram em seguida. Eles sinalizaram algumas mudanças que podem afetar a vida dos brasileiros:

Aumento de impostos

Os brasileiros podem prepara o bolso para mais impostos. Ao explicar a necessidade de equilibrar as contas públicas, o novo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, não descartou o aumento de impostos ou a retomada da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira). Ele afirmou que, se necessário, um tributo será aplicado de forma temporária.

Mudança da idade mínima da aposentadoria

Mais informações

Meirelles disse que o Governo está estudando uma proposta de idade mínima para aposentadoria. Hoje os brasileiros podem se aposentar com a idade média de 55 anos. Desde o início do Governo de Dilma Rousseff discute-se aumentar essa média para 63 anos (60 mulher e 65 anos os homens, ou igualar a idade).

Corte de subsídios e "bolsa empresário"

O novo ministro da Fazenda indicou que o Governo Temer poderá rever subsídios e incentivos dados a diversos setores, como a desoneração na folha de pagamento às empresas, durante o primeiro Governo Dilma. A redução de impostos começou no final de 2008, para tentar estimular o crescimento do país e compensar os efeitos da crise mundial. Foi estendida na sequência para incentivar as empresas e evitar demissões. Caso a desoneração seja revista, empresários podem justificar cortes por aumento de gastos.

Programas sociais

Apesar de ter afirmado que os programas sociais não serão cortados, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que é preciso haver uma "avaliação bastante forte e bastante cuidadosa" desse benefícios. "O fato de se manter um programa social não quer dizer que se possa manter seu mau uso". O ministro do Planejamento, Romero Jucá, também afirmou que o Governo vai auditar os programas. O objetivo é eliminar eventuais recebimentos duplicados de benefícios.

Corte de cargos no Governo

O ministro de Planejamento anunciou que o Governo do presidente interino Michel Temer pretende reduzir 4.000 cargos de confiança e outras formas de contratação sem concurso até o final do ano para equilibrar as contas públicas. "O que nós temos é uma meta física. Se a gente puder passar dos 4.000 cargos ou postos de trabalho, nós passaremos", disse Romero Jucá. Segundo ele, todos os órgãos e empresas públicas terão que reduzir gastos e apresentar resultados.

Sem aumento de verbas para a Saúde

O novo ministro da Saúde, Ricardo Barros, afirmou que não haverá mais dinheiro para a pasta neste ano. "Não vamos ter dinheiro para tudo, não vamos resolver todas as filas e as macas nos corredores, mas podemos melhorar a qualidade dos gastos e gestão", afirmou em coletiva nesta sexta-feira. Para o ministro será necessário usar a criatividade e melhorar a eficiência do gasto do dinheiro que já existe para a área. ia Mais:http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,em-31-de-dezembro-de-2016-deveremos-ter-cortado-4-mil-cargos-de-comissoes--afirma-romero-juca,10000051017Assine o Estadão All Digital + Impresso todos os diasSiga @Estadao no TwitterLeia Mais:http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,em-31-de-dezembro-de-2016-deveremos-ter-cortado-4-mil-cargos-de-comissoes--afirma-romero-juca,10000051017Assine o Estadão All Digital + Impresso todos os diasSiga @Estadao no Twitter