Seleccione Edição
Login

Ibsen Pinheiro: “Aprovar impeachment é difícil. Crise precisa virar uma avalanche”

Presidente da Câmara que recebeu pedido contra Collor diz que Temer "tem condição de unir o país"

Ibsen Pinheiro na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, no dia 22 de março.
Ibsen Pinheiro na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, no dia 22 de março. Agência ALRS

Deputado estadual pelo Rio Grande do Sul e presidente do PMDB naquele estado, Ibsen Pinheiro voltou às páginas do noticiário nacional nesta semana por conta do avanço do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Presidente da Câmara que recebeu o pedido de impeachment de Fernando Collor, em 1992, Pinheiro tem traçado paralelos entre os dois processos — a principal diferença para ele, no momento, é que o impedimento de Collor avançou por unanimidade, e ele ainda não enxerga isso no processo de Dilma. De passagem pelo Congresso Nacional para participar da reunião que definiu o rompimento do PMDB com o Governo, o deputado estadual falou com o EL PAÍS.

Pergunta. O senhor tem dito que é difícil o impeachment da presidenta Dilma Rousseff passar na Câmara.

Resposta. Não é exatamente isso que eu tenho dito. Digo que é muito difícil conquistar 342 votos com cantada, anotação, ponta de lápis, porque é um número muito alto em 513. Dois terços é muito difícil. Mais fácil seria a unanimidade, porque [para chegar a esse ponto] os acontecimentos políticos teriam de superar o centro de gravidade e virar uma avalanche.

P. O que precisa acontecer para a unanimidade se consolidar?

O PMDB esteve em todos os Governos desde Sarney , mas no poder nunca esteve, porque o poder é do presidente

R. Isso depende um pouco da parte técnico-jurídica. Tem que ter uma definição bem feita do crime de responsabilidade. Mas o principal é o sentimento das ruas, da opinião pública, da necessidade de mudança e a ideia de esgotamento do Governo. Essas coisas conjugadas levam à conclusão de que estamos vivendo uma crise política. E a arbitragem dessa crise tem de ser política, para que não seja pela força, como aconteceu com tantas vezes no Brasil através de revoluções ou golpes. É esta Casa [o Congresso Nacional] que tem de arbitrar a crise política.

P. E qual é o impacto do desembarque do PMDB na formação da tal “avalanche”?

R. O PMDB votou por unanimidade o afastamento do Governo, mas não o impeachment. A ideia do afastamento é um sentimento muito forte do partido não pela crise atual, mas pela necessidade histórica do partido de ter protagonismo. O PMDB tem estado em todos os Governos desde Sarney para cá, mas no poder nunca esteve, porque o poder é do presidente. Esta unanimidade foi a busca, o sonho de o PMDB ter um papel protagônico em 2018. O segundo fator é sentir-se com a responsabilidade de arbitrar a crise que estamos vivendo, junto com as demais forças policias.

P. Qual é o papel do PMDB a partir de agora?

R. O papel é, a partir de agora e antes da votação do impeachment, sentir-se talvez o principal árbitro do processo político. Para que tudo se supere dentro do jogo institucional. Se o impeachment não passar, o dia seguinte será como se fosse o primeiro dia do segundo mandato da presidente Dilma, que vai ter que rever sua composição de Governo, sua base e sobretudo suas propostas. Se passar, o dia seguinte será com a ideia dominante de um Governo de união nacional, onde quem não quiser não entrará, mas que estará aberto a todas as formações políticas. Tenho a convicção, pelo temperamento pela formação do presidente [Michel] Temer, ele tem plena condição de unir o país, não digo unanimemente, mas majoritariamente, porque o país vai querer ordem e propostas para superação da crise econômico-financeira.

P. Mas a expectativa é de que um possível Governo Temer já chegará sob grande pressão pública.

R. Publiquei um artigo no domingo passado e, porque o espaço era pequeno, escolhi apenas um ângulo para abordar. O título era “O dia seguinte”. Eu dizia que o dia seguinte da votação do impeachment será melhor que o dia da véspera, seja qual for o resultado. Se não passar [o impeachment], será o primeiro dia do Governo Dilma. Se passar, Governo de união nacional com Temer. Por isso, estou convencido que no dia seguinte haverá um esforço por normalização. Quem perdeu vai ter que jogar o jogo democrático.

MAIS INFORMAÇÕES