Álvaro Uribe | Ex-presidente de Colômbia

Álvaro Uribe: “Governo concedeu tudo às FARC, mas daí não surge a paz

Ex-mandatário colombiano critica a Administração de Santos por seu acordo com as FARC

Álvaro Uribe, nesta terça-feira em Madri.
Álvaro Uribe, nesta terça-feira em Madri.JAIME VILLANUEVA

Em um momento em que o processo de paz na Colômbia vive uma fase delicada, Álvaro Uribe (Medellín, 1952), presidente do país entre 2002 e 2010, faz pressão contra o Executivo de Juan Manuel Santos por seu acordo com as FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), critica a herança do Brasil deixada pelo ex-presidente Lula e arremete contra o regime chavista.

Mais informações

Pergunta. Já passou o 23 de março, data fixada para a assinatura do acordo de paz, e não há acordo. É um fracasso para o processo?

Resposta. O descumprimento da data causa incredulidade. Para nós, essa data não é relevante, mas, sim, o que está incorporado nos acordos, que é nefasto para a democracia colombiana. Por exemplo, a impunidade. O acordo com as FARC será firmado, cedo ou tarde. Se o Governo de Pastrana (1998-2002) lhes tivesse oferecido a metade do que o atual Governo lhes dá, a guerrilha teria firmado. As FARC não vão agora deixar de aproveitar a oportunidade de assinar quando o Governo se submeteu a elas. Concede-lhes tudo o que pediram. Outra coisa é que daí não surge a paz, e esse acordo é instável.

P. Por que é assim?

R. Porque a impunidade consagrada nesse acordo é parteira de novas violências. Essa impunidade tem duas expressões. Uma aberta, o narcotráfico. As FARC são o maior cartel de cocaína do mundo. O país tinha reduzido a coca de 170.000 para 41.000 hectares, e agora está em 159.000. O Governo aceitou que esse crime não seja castigado, que seja associado com o político. Não terão prisão nem extradição, mas, sim, elegibilidade política. O Governo suspendeu fumigações, autorizou o plantio de coca em Catatumbo... Uma impunidade disfarçada. É o caso dos crimes hediondos. Sem prisão. Os delitos das FARC são 100 vezes Paris, 100 Atochas, 100 Bruxelas, 100 vezes o ETA... A Europa aceitaria que esses terroristas não fossem para a cadeia? No final de nosso Governo as FARC contavam 6.800 pessoas, agora têm 17.000. O ELN [Exército da Libertação Nacional] estava à beira da desintegração. Agora é forte, protegido por [Nicolás] Maduro. Os grupos criminosos cresceram exponencialmente. Aumentaram os delitos como destruição de oleodutos, sequestros em estradas, extorsões... A população não denuncia. Sente-se desprotegida porque não há política de segurança e as Forças Armadas estão desmotivadas porque esse Governo as colocou no mesmo nível do terrorismo. Podemos terminar com as FARC governando e os que se opuseram ao terrorismo, civis e militares, na prisão.

P. Com a meta da paz a justiça foi deixada de lado?

R. O acordo cria um tribunal que substitui a justiça colombiana, e de cuja formação o terrorismo participa. O terrorismo configura a justiça à qual se vai submeter. Pense no pior dos crimes. Às FARC basta reconhecê-lo. Não têm de justificá-lo pelo direito à rebelião. Não irão à prisão e terão elegibilidade política. Esse tribunal será iníquo.

“Os crimes das FARC são 100 vezes os atentados de Paris, Atocha e Bruxelas”

P. O que a sociedade colombiana sente?

R. Todo mundo quer paz. Os cidadãos gostam do diálogo, mas estão muito preocupados porque estão há quatro anos sentindo que a segurança se deteriora, em muitas partes são submetidos ao controle territorial do terrorismo, pagam extorsões, aceitam a vizinhança do narcotráfico... Os cidadãos não concordam com que os cabeças do terrorismo não vão para a prisão.

P. Há polarização social?

R. Há crescente preocupação com o país, muita desconfiança no Governo, que não tem mais aposta a não ser assinar a paz para melhorar nas pesquisas. Há um grande enfraquecimento da economia. [Hugo] Chávez expropriava meios de comunicação. Santos, em contratos, subornou muitos jornalistas. Recebeu uma herança muito boa. A herança de Lula foi muito ruim, como a dos Kirchner. Chávez morreu se valendo de um talão de cheques enorme. Uma coisa era o carisma de Chávez com talonário e outra coisa seria hoje sem esse recurso. Não chegou a perceber a tragédia de sua ditadura.

P. Europa e Estados Unidos respaldaram o processo de paz. Estão errados?

R. Apoiaram todas as nossas políticas. Pastrana e Clinton fizeram o Plano Colômbia. Nosso Governo teve muito apoio na Europa e EUA. Não é raro que um governo diga que apoia o diálogo e a paz. Não é isso que é grave, mas a impunidade. O que é preciso perguntar aos europeus é se apoiariam essa impunidade para os terroristas de Bruxelas e Paris. Perguntar ao secretário de Estado norte-americano por que é preciso combater o terrorismo em Bruxelas e dar impunidade ao terrorismo colombiano. Toda a esperança que o Governo colombiano dá é converter as FARC em uma espécie de cogoverno para combater o narcotráfico.

P. Qual será sua posição diante do acordo?

R. Todo pai de família é amigo da paz. O único velho de nosso partido sou eu. O partido está cheio de jovens bem preparados, com grandes esperanças. Esse acordo não posso apoiar.

P. Como deveriam ser as zonas de concentração?

“A Venezuela é o refúgio do terrorismo colombiano”

R. Deveria ser exigido que as FARC se concentrassem em uma área como condição para começar o diálogo. Qualquer delito fora dali não seria imputável a eles. Isso teria dado credibilidade ao processo. As FARC deveriam concentrar-se, cessar as atividades criminosas, definir a entrega e a destruição de armas. Tomara que esse erro seja corrigido com o ELN, que continua sequestrando com toda a proteção da ditadura de Maduro. O Governo da Colômbia ilude a comunidade internacional ao lhe apresentar uma realidade muito diferente da que se vive na Colômbia.

P. O paramilitarismo continua?

R. Nós os desmontamos. Hoje há grupos criminosos do tamanho das FARC, que traficam coca.

P. Qual é o papel da Venezuela?

R. A Venezuela é o refúgio do terrorismo colombiano. Tanto o Governo de meu país como outros latino-americanos não cumpriram o dever da Carta Democrática de enfrentar a ditadura da Venezuela. Têm sido permissivos. O Governo da Colômbia se tornou um aliado do chavismo para negociar com as FARC. Tomara que essa pusilanimidade dos Governos da América Latina em relação à Venezuela mude com a chegada esperançosa de Macri à Presidência da Argentina.

P. O que acha de Lula se tornar ministro?

R. A imprensa internacional fez com que se pensasse que Lula era o Cristo do Corcovado em carne e osso, redimindo o Brasil. E sua herança foi ruim.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50