Operação lava jato

Sérgio Moro levanta sigilo de investigação de Lula e põe Governo contra a parede

Entre papéis agora públicos, está série de conversas telefônicas de Lula, Dilma e ministros. Ex-presidente foi anunciado ministro

Protesto diante do Planalto contra Dilma.
Protesto diante do Planalto contra Dilma.EVARISTO SA (AFP)

MAIS INFORMAÇÕES

No dia em que Luiz Inácio Lula da Silva foi anunciado como o novo ministro da Casa Civil, o juiz federal Sergio Moro autorizou a divulgação dos documentos da 24ª fase da operação Lava Jato que tinha o ex-presidente como o principal alvo. Uma série de áudios das interceptações telefônicas feitas pela Polícia Federal mostram que o líder petista pediu para o então ministro Jaques Wagner interferir junto à Rosa Weber, a ministra do Supremo Tribunal Federal que estava com um processo judicial envolvendo o ex-presidente exatamente dentro desta ação.

Na sequência, um trecho do diálogo de Lula com Wagner, segundo relatório da Polícia Federal:

Lula: Mas viu querido, “ELA” tá falando dessa reunião, ô WAGNER eu queria que você visse agora, falar com “ELA”, já que “ELA” tá aí, falar o negócio da ROSA WEBER, que tá na mão dela pra decidir. Se homem não tem saco, quem sabe uma mulher corajosa possa fazer o que os homens não fizeram.

Wagner: Tá bom, falou! Combinado, valeu querido, um abraço. Um abraço na MARISA e nos meninos...

Na mesma investigação, a PF flagrou Lula conversando com a presidenta Dilma Rousseff em que trataram da posse dele no cargo de ministro da Casa Civil. Na ligação, feita às 13h32 desta quarta-feira, Rousseff diz a Lula que um assessor dela estava levando o termo de posse para ele. Na prática, se Lula fosse abordado pela Polícia Federal, ele não poderia ser preso porque a decisão teria sido tomada por um juiz de primeira instância. E, como ministro, só o Supremo Tribunal Federal poderia mandar prendê-lo.

Eis o diálogo de Dilma e Lula:

- Dilma: Alô

- Lula: Alô

- Dilma: Lula, deixa eu te falar uma coisa.

- Lula: Fala, querida. Ahn?

- Dilma: Seguinte, eu tô mandando o 'Bessias' junto com o papel pra gente ter ele, e só usa em caso de necessidade, que é o termo de posse, tá?!

- Lula: Uhum. Tá bom, tá bom.

- Dilma: Só isso, você espera aí que ele tá indo aí.

- Lula: Tá bom, eu tô aqui, fico aguardando.

- Dilma: Tá?!

- Lula: Tá bom.

- Dilma: Tchau.

- Lula: Tchau, querida.

A gravação teve imediato impacto político e contribuiu para insuflar ainda mais as manifestações de rua contra o ex-presidente como ministro que já se formavam em alguns pontos, como diante do Palácio do Planalto, em Brasília.

No decisão em que quebra o sigilo, Moro justifica: "O levantamento propiciará (...) o saudável escrutínio público (...). A democracia em uma sociedade livre exige que governados saibam o que fazem governantes, mesmo quando estes buscam agir protegidos pelas sombras".

Para a defesa de Lula, não caberia mais ao juiz de Curitiba decidir ou não sobre qualquer aspecto relacionado ao caso, ainda que não esteja claro se no exato momento da decisão o ex-presidente já estivesse formalmente nomeado ministro. O registro do despacho de Moro marca 16h21 desta quarta. O Governo publicou uma edição extra do Diário Oficial com a nomeação de Lula, mas não há indício evidente da hora.