Caso Lula

Juíza do caso Lula mantém segredo de justiça e diz que análise “demandará algum tempo”

"Trata-se de processo de elevada repercussão social", justificou Maria Priscilla Ernandes

Lula fala a apoiadores no dia 4 de maio.
Lula fala a apoiadores no dia 4 de maio.PAULO WHITAKER / REUTERS

Mais informações

Após o alarde causado pelo pedido de prisão preventiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, uma promessa de discrição. A juíza Maria Priscilla Ernandes, da 4.ª Vara Criminal de São Paulo, divulgou nota para informar que o processo em que o petista é acusado de falsidade ideológica e lavagem de dinheiro seguirá em segredo de justiça. Na mensagem distribuída pela assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), Ernandes diz ainda que sua análise "demandará algum tempo".

A juíza destaca que "trata-se de processo de elevada repercussão social, em que há acusações contra ex-presidente da República e requerimento de medidas cautelares sérias". "Neste momento saliento que o processo apresentado pelo Ministério Público do Estado de São Paulo possui 36 volumes, ainda não findo o processo de digitalização, e já existem habilitações de procuradores de alguns denunciados, e para a análise da viabilidade da acusação, bem como dos pedidos cautelares formulados, necessária a detida apreciação de todo o material apresentado, o que demandará algum tempo", explica Ernandes.

A assessoria do TJ-SP informou que a nota foi divulgada "em razão da grande procura pela imprensa sobre o andamento da denúncia apresentada pelo Ministério Público de São Paulo". Depois que o pedido de prisão do ex-presidente se tonou público, no fim da tarde de quinta-feira, as atenções se viraram para a juíza Maria Priscilla Ernandes, que ganhou perfil nos jornais baseado em suas redes sociais e já está sentindo o peso de ter nas mãos o futuro do ex-presidente Lula.

O tumultuado caso Lula teve seu primeiro capítulo público em fevereiro, quando, convidado a depor sobre o caso do Triplex no Guarujá (SP), o petista acabou dispensado, por conta de uma decisão do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). A ausência de Lula naquele dia não impediu que militantes petistas e críticos do ex-presidente se enfrentassem em frente ao fórum da Barra Funda, na capital paulista. Dias depois, Lula seria submetido a uma condução coercitiva por conta de outra investigação, da Operação Lava Jato, e o clima político do país só tem se acirrado desde então.

Nesta sexta-feira, a Frente Brasil Popular, formada por movimentos sociais ligados ao PT, confirmou que Lula estará no ato de apoio a ele convocado para daqui a uma semana, no dia 18. Segundo os movimentos da Frente Brasil Popular, as entidades pró-Lula não estarão presentes na avenida Paulista neste domingo, 13, quando acontece o ato que pede o impeachment de Dilma Rousseff, como os petistas chegaram a cogitar após a condução coercitiva. Para eles, a manifestação de domingo tem uma "pauta golpista".

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete