Jogos Olímpicos do Rio

Equipe de refugiados competirá nos Jogos do Rio sob a bandeira olímpica

COI anuncia que já realizou uma pré-seleção com 43 atletas que fugiram de seus países

Mulheres torcem durante maratona em campo de refugiados da Argélia.
Mulheres torcem durante maratona em campo de refugiados da Argélia.FAROUK BATICHE / AFP

Mais informações

O Comitê Olímpico Internacional (COI) oficializou na quarta-feira a criação de uma equipe de refugiados que participará dos Jogos Olímpicos do Rio 2016 e que desfilará sob a bandeira olímpica na cerimônia de abertura em 5 de agosto.

A equipe, estabelecida em uma reunião do comitê executivo do COI, já conta com uma pré-seleção de 43 atletas. “O número final de atletas depende de critérios de qualificação. Também precisamos verificar os critérios de elegibilidade de alguns atletas”, disse Thomas Bach, presidente do COI.

“Só posso dar minha opinião, mas acredito que essa equipe poderá ser composta de 5 a 10 atletas”, acrescentou. “Fomos todos afetados pela magnitude da crise de refugiados. Com essa equipe queremos enviar uma mensagem de esperança a todos os refugiados do mundo”, disse o ex-campeão olímpico de esgrima em Montreal 1976.

Em dezembro, o COI já havia identificado três atletas que fugiram de seu país pela crise de refugiados e que poderiam tentar a classificação aos Jogos. São uma nadadora síria que treina na Alemanha, um judoca da República Democrática do Congo refugiado no Brasil e uma praticante de tae-kwon-do iraniana que treina na Bélgica.

Durante os Jogos, o COI designará seus oficiais, técnicos, treinadores e especialistas. Na cerimônia inaugural “marcharão atrás da bandeira olímpica em penúltimo lugar, antes da equipe local”, informou o dirigente.

Como os outros participantes, entrarão nos programas antidoping. A Solidariedade Olímpica Internacional cobrirá todos os seus gastos. Bach disse que o movimento olímpico está “comovido” pela crise dos refugiados.