“Sou Tim Burton e me sinto em casa aqui no Brasil”

Em visita ao país para divulgar exposição no MIS, o cineasta diz que brasileiros “respiram criatividade”

Burton após o encontro com jornalistas no MIS.
Burton após o encontro com jornalistas no MIS.Karime Xavier (Folhapress)

Mais informações

Tim Burton, cuja carreira está em retrospectiva no Museu da Imagem do Som de São Paulo (MIS-SP) até 15 de maio, pode nem sempre estar satisfeito ou feliz com a vida e o trabalho, mas não desiste nunca. “Não sinto medo nem me arrependo de nada. Acho melhor assim, porque essas coisas nos impedem de seguir adiante”, confessou o ilustrador e cineasta de 57 anos – mais de 40 deles dedicados à carreira – à imprensa nesta quarta-feira, com uma cara de cinzas de um autêntico fã da folia.

Em sua primeira visita ao Brasil, com a missão de divulgar O Mundo de Tim Burton, ele conheceu o Carnaval carioca assistindo ao desfile da Portela no camarote de Dona Ivone Lara, e agora voltará para casa sentindo que sua alma é muito mais brasileira do que norte-americana. “Me sinto muito mais em casa aqui do que em Burbank, na Califórnia, onde nasci. Sinto uma empatia muito grande em relação aos brasileiros, e só estou aqui há dois dias”, declarou-se, depois passar pelo Rio de Janeiro e chegar a São Paulo. Ver o desfile na Marquês de Sapucaí sem uma só peça de roupa preta como as que costuma usar foi, para ele, “inspirador” e “uma das experiências mais emocionantes de sua vida”.

Reprodução Twitter

O cineasta, responsável por filmes docemente grotescos como Edward, mãos de tesoura, Alice no País das Maravilhas e A noiva cadáver, afirmou que o Brasil respira criatividade, que no país “há arte por todos os lados” e “todo mundo parece se expressar” abertamente. Uma foto dele ao lado de um grupo de aparentes desconhecidos em uma praia do Rio comprova esse estado de espírito e foi uma das que mais circulou nas redes neste feriado, com comentários do tipo: “Quem nunca acordou no carnaval no meio de uma turma que você nunca viu na vida?”.

Mas o Carnaval não é tudo o que Tim Burton leva consigo na memória. Extremamente amável com os jornalistas durante a coletiva de imprensa convocada pelo MIS e vestindo uma camisa vermelha debaixo do blazer preto, ele elogiou a exposição montada em São Paulo – o primeiro lugar a receber a mostra na América Latina, a convite da curadora independente Jenny He, que a concebeu junto com a equipe da Tim Burton Productions. “Ficou parecendo uma casa mal-assombrada meio bizarra e divertida. É a primeira exposição que vejo que tem um escorregador”, destacou, garantindo que vai pedir que a novidade seja incluída onde mais O mundo de Tim Burton se instalar.

“O processo criativo é o mais importante da vida de qualquer um. Essa mostra serve para inspirar o lado artístico de pessoas que, assim como eu, não se consideram grandes artistas ou cineastas. Desenhar sempre foi uma maneira, para mim, de explorar meus próprios sentimentos, porque sempre tive problemas para me comunicar”, explicou, com ares de menino já acostumado ao público e às perguntas, ainda que incapaz de superar a timidez.

Gentilmente se nega a falar de projetos futuros ou em andamento – como seu próximo longa-metragem, Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares, previsto para estrear este ano –, escaldado pela frustração de não ter terminado sua versão do Superhomem com Nicolas Cage (Superman lives). Mas se diz aberto a trabalhar com profissionais brasileiros e cita os filmes de Zé do Caixão (Coffin Joe, como é conhecido em inglês) entre seus favoritos no Brasil. “É o tipo de filme de que eu gosto, meio trash, e o que faço também”, finaliza.