operação lava jato

Lula entra no olho do furacão da Lava Jato e Zelotes por relação com empreiteiras

Ex-presidente é investigado por suposta ‘venda’ de MPs e por provável omissão de propriedade de dois imóveis

Lula e Falcão em encontro do PT, em novembro passado.
Lula e Falcão em encontro do PT, em novembro passado.Lula Marques (Ag. PT)

MAIS INFORMAÇÕES

O combativo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está abatido, cabisbaixo e bem diferente do falante ex-sindicalista que movia multidões em piquetes de São Paulo e do político que liderou comícios pelo Brasil entre os anos 1990 até suas duas vitórias eleitorais em 2002 e 2006. Aliados dele dizem que os sucessivos ataques que ele e seus familiares têm sofrido contribuíram para a notável mudança de semblante. E não faltam razões para isso.

Um documento da Polícia Federal entregue à Justiça nesta semana admitindo que o ex-presidente é um dos investigados no esquema de “venda” de medidas provisórias que beneficiaram montadoras de automóveis é apenas uma gota dentro do oceano de más notícias que o isola. O que mais tem preocupado a família Lula e, por consequência toda a cúpula do seu partido, o PT, é a suspeita de que ele seria dono de ao menos dois imóveis (que valem juntos cerca de 3 milhões de reais) e jamais foram declarados à Receita Federal: um sítio de 173.000 metros quadrados em Atibaia e um apartamento tríplex de 215 metros quadrados no Guarujá, ambos no Estado de São Paulo.

Pior, que esses dois imóveis teriam sido reformados pelas empreiteiras OAS e Odebrecht, ambas afundadas no esquema suspeito de desviar bilhões de reais da petroleira brasileira Petrobras e descoberto pela operação Lava Jato. Seriam uma espécie de presente ao ex-presidente que foi um dos principais beneficiários pelas doações de campanhas eleitorais feitas por essas duas empresas nos últimos anos, de acordo com os investigadores.

Conforme o jornal O Estado de S. Paulo revelou nesta sexta-feira (dia 5), a compra do sítio no interior paulista fora oficializada no escritório de um compadre de Lula, o advogado Roberto Teixeira. Os proprietários do imóvel seriam dois sócios de Luís Cláudio Lula da Silva, filho de Lula e afilhado de Teixeira, que é investigado na operação Zelotes, aquela que trata da suposta venda de medidas provisórias. Até o mês passado Lula era apenas uma testemunha desta operação que prestou informações aos policiais.

Por meio de seu advogado e de sua assessoria de imprensa, Lula nega que seja o dono desses imóveis. Diz ainda que há uma tentativa de macular a imagem do ex-presidente. Sobre o sítio, a assessoria do petista afirma que ele pertence a amigos da família. Alega que suas idas ao local – foram 111 nos últimos quatro anos, conforme publicado pela revista Época – seriam apenas visitas em momentos de descanso familiar. Já com relação ao apartamento, alega que chegou a comprar uma cota de uma unidade no mesmo condomínio, mas nunca adquiriu o tríplex.

Movimento de blindagem

“Tocar no presidente Lula é chamar a gente para a luta. Nós não vamos ter covardia nesse momento”. A fala do senador Lindbergh Farias (PT-RJ) demonstra bem o movimento de blindagem que petistas e seus aliados estão promovendo neste momento para proteger o ex-presidente Lula. Talvez por ser o único nome do PT para as eleições presidenciais de 2018 e por ser o mentor da maioria dos programas sociais que ainda têm algum respeito no país, como o Minha Casa Minha Vida e o Bolsa Família, os governistas lançaram mão de uma força-tarefa em defesa do presidente de honra dos petistas.

Nos últimos dias, senadores e deputados ocuparam as tribunas das duas Casas Legislativas para reclamar do tratamento que o ex-presidente sofria da mídia e de parte dos Ministérios Públicos Federal e Estadual, além da polícia.

“Há uma caçada em curso. Há uma determinação explícita de esmagar o poder político de um ex-presidente da República, por mais bizarro que isso possa parecer”, reclamou o senador Humberto Costa (PT-PE). “O Lula já foi acusado de tudo em sua vida. Talvez ele pudesse ser acusado de retirar 40 milhões de brasileiros da miséria”, completou a senadora Gleisi Hoffman (PT-PR). O curioso é que os três senadores que mais defenderam Lula nos últimos dias respondem a inquéritos na Lava Jato.

A blindagem de Lula tem sido estimulada pelos canais oficiais do PT. O presidente da legenda, o jornalista Rui Falcão, instou os parlamentares a atuarem na defesa do ex-presidente não só no plenário, mas também nas redes sociais. No próximo dia 27, durante as comemorações do aniversário da sigla, haverá um ato em homenagem ao ex-presidente. “Um ato de solidariedade, mas não um ato de desagravo. Porque não considero que haja um agravo o tipo de ataque que se faz ao Lula, que deveria ser respeitado pelo nosso povo por tudo que fez pelo Brasil”, afirmou Falcão à Agência de Notícias do PT.

Parlamentares de outras legendas também aderiram à tentativa de proteção de Lula. “Acho que essa política de desconstrução das nossas lideranças não vai nos levar a lugar nenhum”, disse o senador Hélio José (PMB-DF). “Não tenho nenhuma dúvida de que o Lula paga pela sua ousadia, pela sua coragem de quebrar o muro entre o rico e o pobre”, acrescentou o senador Telmário Mota (PDT-RR).