natal

Na Missa do Galo, Papa Francisco pede sobriedade e fuga dos luxos

Pontífice diz que sociedade está “embriagada de consumo e de prazeres” em homilia na véspera de Natal

Papa nesta quinta-feira com funcionários do Vaticano.
Papa nesta quinta-feira com funcionários do Vaticano.EFE (ETTORE FERRARI)

MAIS INFORMAÇÕES

Apenas três dias depois de enumerar as virtudes necessárias na cúria e classificar como doenças "o mundanismo, o exibicionismo e o orgulho", o papa Francisco pediu que os fiéis adotem "um comportamento sóbrio, simples, equilibrado e linear", durante sua homilia na Missa do Galo, realizada na Basílica de São Pedro, na véspera de Natal.

Bergoglio fez referência a uma sociedade que está "embriagada de consumo e de prazeres, de abundância e de luxo, de aparência e de narcisismo" e, diante disso, recomendou a simplicidade e a sobriedade para "viver o que é importante".

Aos fiéis que compareceram à missa na Praça de São Pedro, decorada com uma árvore de Natal de 25 metros e um portal de Belém, Francisco pediu que os católicos renunciem às riquezas do mundo.

Diante da representação do Menino Jesus, disse: "Esse Menino nos ensina o que é verdadeiramente importante em nossa vida. Nasce na pobreza no mundo, porque não há lugar na estalagem para Ele e sua família... Encontra abrigo e amparo em um estábulo e deita-se numa manjedoura para animais. E, no entanto, desse nada brota a luz da glória de Deus".

Também enfatizou virtudes como a bondade, a misericórdia e o amor para viver uma vida "sóbria, reta e piedosa", e pediu o esquecimento dos medos e temores, porque na noite de Natal comemora-se o nascimento de Jesus.

"Agora é preciso cessar o medo e o temor, porque a luz nos mostra o caminho até Belém. Não podemos ficar indefesos. Não é correto ficar parados." Ao contrário, pediu para que os fiéis caminhem e vejam "nosso Salvador deitado na manjedoura", disse o pontífice em sua terceira Missa do Galo.

Uma noite que, para o Papa, é "motivo de júbilo e alegria", um júbilo que recomenda seja compartilhado e que levará, segundo ele, a uma sociedade na qual exista paz entre as nações.

"Nesta noite brilha uma grande luz. Sobre nós resplandece a luz do nascimento de Jesus", disse, uma luz que, para o máximo representante da Igreja Católica, "vem iluminar nossa existência, confinada muitas vezes sob a sombra do pecado".