Papa Francisco: “As doenças da cúria causaram dor e feridas”

Bergoglio diz que as reformas da Igreja continuarão e cria um “catálogo de virtudes”

Os cardinales esperam o discurso do Papa.
Os cardinales esperam o discurso do Papa.A. PIZZOLI (AFP)
Mais informações

Exatamente um ano atrás, o papa Francisco aproveitou o tradicional encontro natalino com a cúria romana para alertar os principais membros da Igreja católica sobre as 15 doenças que afetam a saúde do Vaticano, dentre as quais destacou “o mundanismo, o exibicionismo e a vanglória”. Um Natal depois, novamente reunido com a cúria, Jorge Mario Bergoglio constatou: “Algumas daquelas doenças se manifestaram causando não pouca dor e ferindo muitas almas”. O Papa afirmou que, apesar de todas as resistências, “as reformas da Igreja continuarão a ser feitas com determinação”.

Mesmo gripado e visivelmente cansado, o Papa leu para os bispos e cardeais um discurso de seis folhas — escritas inteiramente por ele — no qual incluiu um “catálogo das virtudes necessárias” para “quem trabalha na cúria”. Em princípio, não é um catálogo tão severo como o de um ano atrás — impagáveis as expressões dos príncipes da Igreja diante dos raios X de Bergoglio —, mas também não deixou por menos. Quando, por exemplo, o Papa fala da sobriedade — “a capacidade de renunciar ao supérfluo e de resistir à lógica consumista dominante” —, a transmissão da televisão do Vaticano mostrou o cardeal Tarcisio Bertone, o secretário de Estado anterior, o mesmo que utilizou 200.000 euros (877.000 reais) dos fundos destinados a um hospital infantil para reformar seu luxuoso apartamento. Nos últimos dias, o cardeal Bertone devolveu 150.000 euros (658.000 reais), o que não deixa de chamar a atenção sobre sua capacidade de economizar.

Mesmo sem citar explicitamente o escândalo pelo vazamento de documentação secreta — o chamado caso Vatileaks2 que causou a prisão de um padre espanhol —, o papa Francisco o ligou em seu discurso às doenças citadas e disse que elas não o farão desistir de sua determinação em mudar a Igreja. Ainda que em tom mais brando e até mais positivo — enumerar as virtudes necessárias ao invés das doenças a se combater —, a fala de Bergoglio não tem nada de condescendente. O Papa alerta: “O honesto nunca manipula as pessoas e as coisas que são de sua responsabilidade. A honestidade é a base sobre a qual estão todas as outras qualidades”.

Francisco pede exemplaridade para “evitar os escândalos que ferem as almas e ameaçam a credibilidade” da Igreja Católica e voltou a utilizar palavras muito duras aos sacerdotes que, esquecendo-se de sua missão, causam escândalo com suas ações: “Como disse Cristo, quem escandalizar um só dos pequenos que em mim acreditam, merece ter uma pedra de moinho atada ao pescoço e ser lançado ao fundo do mar”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: