Impeachment Dilma Rousseff

STF definiu o rito do impeachment em dezembro

Debates se estendem no entorno do momento de afastamento da presidenta

Mendes, Fux, Lucia, Toffoli e Weber no STF.
Mendes, Fux, Lucia, Toffoli e Weber no STF.Lula Marques/Agência PT

O Supremo Tribunal Federal retoma nesta quinta-feira o julgamento do rito do impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT). Na quarta-feira, durante o primeiro dia de análise da ação, o Governo se deparou com um revés. O relator do processo, Luiz Edson Fachin, endossou quase que integralmente o processo de impedimento que vem sendo tocado pela Câmara dos Deputados e arquitetado pelo deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Mais informações

Fachin concordou até com pontos polêmicos, como o voto secreto na eleição da chapa oposicionista para a comissão que analisa o pedido de impeachment. O próprio ministro relator havia suspendido o processo na última quinta-feira, dia 9, até que o tribunal deliberasse sobre a questão. Enquanto opositores comemoraram o relatório e o voto de Fachin, os governistas dizem que ainda é cedo para lamentar a primeira derrota. Hoje, os outros dez ministros votarão. Se a sessão se prolongar demais, os ministros devem seguir o julgamento na sexta-feira, antes do recesso de fim de ano do Judiciário. O EL PAÍS acompanha ao vivo a sessão.