Coluna
i

A negação da mudança climática dos republicanos

Estamos diante de pessoas que deram as costas à ciência quando essa atitude coloca em perigo nada menos do que o futuro da civilização

Hollande (esquerda) e Barack Obama na COP21.
Hollande (esquerda) e Barack Obama na COP21.IAN LANGSDON (AFP)

Os historiadores futuros – se é que existirão historiadores no futuro – quase com certeza dirão que o fato mais importante acontecido no mundo em dezembro de 2015 foram as conversas sobre o clima em Paris. É certo que nada do acertado ali bastará, por si só, para resolver o problema do aquecimento global. Mas as conversas poderão assinalar uma mudança de atitude, o princípio do tipo de intervenção internacional necessária para evitar a catástrofe. Claro que isso pode não acontecer; e estaremos condenados. E se estivermos, sabemos quem é o responsável: o Partido Republicano.

Sim, já sei como muitos leitores irão reagir: como é partidarista! Que exagerado! Mas o que acabo de dizer é uma verdade evidente. E a incapacidade de nossa imprensa, nossos especialistas e nosso sistema político em geral para enfrentar essa verdade é um fator que contribui de maneira importante ao perigo que enfrentamos. Qualquer um que siga os debates políticos dos EUA sobre o meio ambiente sabe que os políticos republicanos, em sua imensa maioria, se opõem a toda medida destinada a restringir as emissões de gases do efeito estufa, e que a maioria não aceita o consenso científico sobre a mudança climática. Em 2014, o PolitiFact só foi capaz de encontrar oito republicanos no Congresso, dos 287 que compõem a assembleia, que realizaram comentários públicos aceitando a realidade do aquecimento global provocado pelo homem. E a maior parte dos aspirantes republicanos à candidatura presidencial estão bem consolidados no terreno anticientífico.

É possível, entretanto, que as pessoas não percebam o enorme tamanho do muro de negação do Partido Republicano, tanto no âmbito dos EUA como no mundo inteiro. Frequentemente ouço que a esquerda norte-americana é tão ruim como a direita em relação à ciência, e mencionam, por exemplo, a histeria sobre os alimentos geneticamente modificados e a energia nuclear. Mas, mesmo que acreditem que essas opiniões são comparáveis à negação da mudança climática (e não são), não são mais do que pontos de vista defendidos por alguns membros da esquerda, não uma ortodoxia imposta a todo um partido por aqueles que até mesmo meu colega conservador David Brooks chama de “polícia do pensamento”.

MAIS INFORMAÇÕES

E a ortodoxia da negação da mudança climática não se limita a afirmar que o consenso científico está errado. Os congressistas republicanos mais importantes se deixam levar com frequência por extravagantes teorias conspiratórias, e afirmam que as provas sobre a mudança climática são o produto de um engano cometido por milhares de cientistas de todo o mundo. E fazem o possível para assediar e intimidar os profissionais da ciência.

É algo que faz parte de uma longa tradição: o famoso ensaio de Richard Hofstadter The Paranoid Style in American Politics [O estilo paranoico na política norte-americana] foi publicado há meio século. Mas que esse estilo se apodere de um dos grandes partidos é algo novo. Também é algo sem comparação no estrangeiro. É certo que os partidos conservadores do Ocidente tendem a ser menos partidários da atuação contra a mudança climática do que os partidos de esquerda. Mas na maioria dos países – de fato, em todos com exceção dos EUA e Austrália – esses partidos respaldam as medidas destinadas a restringir as emissões. E os republicanos dos EUA são os únicos que se negam a admitir que sequer exista um problema. Desgraçadamente, dada a importância dos EUA, o extremismo de um partido no país tem consequências mundiais enormes.

As eleições de 2016, na realidade, deveriam ser consideradas um referendo sobre esse extremismo. Mas é provável que não sejam mostradas dessa forma. O que me leva a algo que podemos chamar de ‘o problema da negação da negação da mudança climática’. Parte dessa negação vem dos republicanos moderados que ainda existem (mas não ocupam cargos escolhidos por votação). Esses moderados talvez admitam que seu partido perdeu a noção da realidade em relação ao clima, mas tendem a sustentar que não será sempre assim, que o partido recobrará a sensatez a qualquer momento. (E, certamente, encontrarão motivos para apoiar qualquer negacionista climático que o Partido Republicano escolha como candidato presidencial).

Tudo o que sabemos sobre o processo que levou os republicanos até esse ponto nos diz que isso é fantasia. Mas é uma fantasia que nublará a percepção das pessoas. Mais importante é a negação inerente às convenções do jornalismo político, que ditam que sempre se deve descrever os partidos de forma simétrica (que todas as informações sobre as posturas extremas adotadas por uma parte devem ser apresentadas de tal modo que pareça que ambas as partes agem dessa forma). Vimos isso no assunto dos orçamentos, onde alguns analistas que se autodenominam centristas criticaram os republicanos por se negarem veementemente a pensar em aumento de impostos, mas, ao mesmo tempo, mantiveram as críticas ao presidente Obama por se opor a cortes de gastos que, na verdade, apoiou. Minha hipótese é que as discussões sobre o clima receberão o mesmo tratamento.

Mas espero estar enganado, e peço a todos que estão fora da bolha da negação da mudança climática a admitir com sinceridade a assombrosa e aterradora realidade. Temos um partido que deu as costas à ciência em um momento em que essa atitude coloca em perigo nada menos do que o futuro da civilização. Essa é a verdade, e é preciso enfrentá-la sem rodeios.

Paul Krugman é prêmio Nobel de Economia de 2008.

© The New York Times Company, 2015.

Tradução de News Clips.

Arquivado Em: