Obama: “As mudanças climáticas são o maior desafio para o nosso futuro”

Presidente defende na Casa Branca seu plano para lutar contra aquecimento global

O presidente Obama durante a cerimônia.
O presidente Obama durante a cerimônia.Susan Walsh (AP)

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, defendeu nesta segunda-feira a “obrigação moral” de seu governo na luta contra as mudanças climáticas, cujas consequências definiu como “a maior ameaça” para o futuro. Em uma cerimônia na Casa Branca, o presidente democrata apresentou os detalhes de seu ambicioso plano para limitar, pela primeira vez na história, as emissões poluentes das usinas energéticas do país e estimular o investimento em energia renovável.

Mais informações
Obama acrescenta a seu legado a luta contra a mudança climática
Do que as pessoas ao redor do mundo têm medo?
Prefeitos do Brasil pedem ao Papa dinheiro para lutar pelo clima
Sexta grande extinção está em curso
Barack Obama pede na África o tratamento igualitário à mulher

“Somos a primeira geração que sente as consequências das mudanças climáticas e a última que tem a oportunidade de fazer algo para deter isso”, argumentou Obama. “Esse é um desses problemas aos quais, por sua magnitude, se não agirmos bem, não poderemos reagir nem nos adaptar. Quando falamos de mudanças climáticas, existe a possibilidade de chegar tarde.”

O presidente compareceu acompanhado da diretora da Agência de Proteção do Meio Ambiente (EPA, na sigla em inglês), Gina McCarthy. A Agência será encarregada de coordenar com os Estados a implementação dos cortes. McCarthy também descreveu a resposta ao aquecimento global como “um imperativo moral” e agradeceu à comunidade científica por sua defesa do meio ambiente. “Ficamos durante anos falando sobre o que deveríamos fazer e hoje, enfim, falamos do que realmente vamos fazer”, afirmou McCarthy, referindo-se às últimas décadas de trabalho para preparar a resposta dos EUA às mudanças climáticas.

“Não há um desafio que represente uma ameaça maior para nosso futuro do que as mudanças climáticas”, declarou Obama. O presidente encerrou com essas medidas o ceticismo dos EUA em relação aos dados da comunidade científica, que há décadas aponta para a contribuição das emissões de poluentes ao aquecimento global. Como lembrou o presidente democrata, o país sofreu neste século os 14 anos registrados até agora com as temperaturas mais altas, e 2014 bateu todos os recordes.

Quando falamos de mudanças climáticas, existe a possibilidade de se chegar tarde

A ciência nos diz que devemos fazer mais se quisermos salvar nossa economia e a saúde de nossos filhos”, insistiu Obama. O presidente recorreu ao argumento do Pentágono, que considera as mudanças climáticas uma das ameaças à segurança nacional. “Já não estamos falando do futuro, mas da realidade que vivemos aqui, agora.”

Além de falar do clima, o presidente incorporou esta segunda-feira também o argumento da saúde. A Casa Branca, que classificou essas medidas como “críticas”, calcula que a diminuição da poluição reduzirá as mortes prematuras em 90% em 2030, em comparação com 2005, e resultará em uma queda de 70% nos problemas respiratórios nas crianças. A Administração norte-americana também atribui às mudanças climáticas a duplicação nas três últimas décadas do número de habitantes do país com asma.

O plano de Obama contra as mudanças climáticas, o mais ambicioso aprovado até hoje por um governo norte-americano, representa um custo de 8,8 bilhões de dólares (30,36 bilhões de reais) por ano até 2030. Os EUA se comprometem a efetuar antes dessa data um corte de 32% – dois pontos a mais do que o previsto – nas emissões de suas usinas energéticas em relação aos níveis de 2005 e aumentar até 28% a dependência de energia renovável. A iniciativa, conhecida como “Plano da Energia Limpa”, determinará o nível de emissões que os Estados terão de cumprir e lhes permitirá participar de um mercado no qual se trocarão cortes por benefícios fiscais e também será possível adquirir licença para emitir poluentes acima dos limites impostos.

A regulação tem a assinatura de Obama, mas deverá ser aplicada por seu sucessor. O Presidente acaba de forçar a incorporação das mudanças climáticas entre os temas principais da campanha eleitoral, e para isso conta com o respaldo da principal aspirante democrata, Hillary Clinton. Mas os candidatos republicanos manifestaram sua preocupação com o possível fechamento de numerosas usinas de energia do país que dependem da exploração de carvão e, com isso, a perda de postos de trabalho.

Já não estamos falando do futuro, mas da realidade que vivemos aqui, agora

O candidato republicano e ex-governador da Flórida Jeb Bush qualificou as medidas de “irresponsáveis” e de “intromissão nas competências dos Estados, de destruir postos de trabalho e elevar os preços da energia”. Para um de seus rivais nas primárias, o senador Marco Rubio, a fatura energética pode tornar-se “catastrófica” para as famílias.

A Casa Branca, porém, afirma que os norte-americanos pouparão 85 dólares anuais em média – 155 bilhões de dólares no total– até 2030, a data-limite para a implementação dos cortes. O presidente explicará esse e outros detalhes aos cidadãos em vários eventos durante as próximas semanas. Espera-se que ele participe da Cúpula Nacional da Energia Limpa em Nevada e se torne o primeiro presidente norte-americano a visitar o Ártico no Alasca. Em setembro, Obama abordará também a questão das mudanças climáticas com o papa Francisco, que visitará Washington durante sua viagem aos EUA.

O presidente se mostrou “convencido” de que as medidas chegam a tempo para que a indústria norte-americana se adapte aos conhecimentos da ciência sobre o aquecimento global, bem como para inspirar outros países a adotar regulações semelhantes. “Só temos um planeta e não há plano B. Não quero que nossos netos não possam nadar no Havaí ou subir uma montanha e ver uma geleira porque nós não fizemos nada.” Obama também defendeu a nova regulação como um argumento que tem em vista a Cúpula das Nações Unidas sobre o Clima, marcada para Paris em dezembro. “Quando o mundo enfrenta grandes desafios, os EUA lideram o caminho para a frente. É disso que esse plano trata.”

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS