_
_
_
_

FIFA investiga Del Nero e chefes da Conmebol e Concacaf são presos

Se punido, presidente da CBF será banido das atividades relacionadas ao futebol

Jornalistas diante do hotel de Zurique onde os dirigentes foram presos.Foto: reuters_live | Vídeo: A. WIEGMANN / Reuters-live!
Ladislao J. Moñino

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Mais uma vez, o luxuoso hotel Baur au Lac, em Zurique, testemunhou um golpe da Justiça suíça e norte-americana contra a FIFA. A polícia do país europeu deteve por suspeita de corrupção mais dois membros do organismo que dirige o futebol internacional, mas entre eles não está o presidente da entidade, Joseph Blatter. Os cartolas presos são Juan Ángel Napout, presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), e Alfredo Hawitt, presidente da Confederação Centro-Americana e do Caribe (Concacaf). Ambos são acusados de receberem subornos milionários para facilitar a venda de direitos televisivos de competições realizadas na América Latina e de partidas válidas por eliminatórias para Copas do Mundo.

Também na quinta-feira, a FIFA, através de seu Comitê de Ética, anunciou a abertura de um processo contra o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Marco Polo del Nero. O dirigente renunciou na semana passada à sua vaga no Comitê Executivo da FIFA, da qual ultimamente já se ausentava, e também tem evitado viagens com a seleção brasileira, por medo de ser preso no exterior.

Mais informações
FIFA revela que está investigando Ricardo Teixeira e Beckenbauer
Blatter acusa Platini de orquestrar escândalo da FIFA
A complicada regeneração da FIFA depois do escândalo de corrupção
Suíça abre investigação contra Joseph Blatter por vários crimes

O processo foi aberto no última dia 23 de novembro após o órgão da entidade receber os documentos das autoridades brasileiras, segundo informa A Folha de S. Paulo. Andreas Bantel, porta-voz da FIFA, não deu detalhes sobre a investigação. Como o Comitê de Ética pode suspender ou banir cartolas do futebol, Del Nero terá que deixar a presidência da CBF caso seja punido.

Os dois dirigentes presos em Zurique são vice-presidentes da FIFA e membros do seu comitê executivo, que está reunido na cidade suíça para aprovar as reformas de regeneração do órgão após o escândalo que estourou em maio e levou à prisão de 14 de seus integrantes. Napout era o tesoureiro da Conmebol na época dos atos de corrupção investigados. O paraguaio é o terceiro presidente da Conmebol a ser detido desde maio. Antes, foram presos seu compatriota Nicolás Leoz e o uruguaio Eugenio Figueredo. O hondurenho Hawitt é o segundo presidente da Concacaf envolvido em denúncias de corrupção, depois de Jack Warner, de Trinidad e Tobago, um dos supostos mentores e executores da trama de corrupção investigada.

As detenções aconteceram durante a madrugada (hora local), e não se descarta que haja outras, embora não no hotel nem na sede da FIFA, aonde outros dirigentes do futebol mundial começavam a chegar durante a manhã. O hotel neste momento continua sob isolamento policial.

A onda de detenções que se antevê tem a América do Sul como foco. A Conmebol está no centro da trama, e várias suspeitas recaem sobre o seu diretor-geral, Gorka Villar, filho de Ángel María Villar, presidente da Federação Espanhol de Futebol e vice-presidente da FIFA e UEFA (entidade que dirige o futebol europeu). Antes de assumir esse cargo, Gorka Villar foi assessor jurídico da confederação sul-americana.

A FIFA realizará em fevereiro eleições para escolher o sucessor de Blatter, que está suspenso, junto com vários outros dirigentes, desde que a Suíça anunciou no final de setembro que ele estava no centro de uma segunda investigação. Em um sucinto comunicado, a FIFA diz estar informada sobre as detenções e reitera que “continuará cooperando totalmente, conforme permite a lei suíça”, com as investigações dos EUA e da promotoria suíça a respeito da suposta corrupção na entidade.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_