Eagles of Death Metal: “Viva a música, viva a liberdade e viva a França”

A banda, que tocava no Bataclan quando começou o massacre, emite um comunicado

Madri -
Eagles of Death Metal no Bataclan. / AFP
Eagles of Death Metal no Bataclan. / AFP

Viver ou morrer era mera questão de casualidade, e eles se salvaram graças à casualidade. Eagles of Death Metal era a banda de hard rock que tocava no palco da sala Bataclan, o ponto mais massacrado pelos atentados terroristas de Paris na noite da última sexta-feira. O grupo californiano conseguiu escapar por uma saída de emergência bem atrás do palco logo que começou o horror contra os 1.500 espectadores que ocupavam o recinto e que acabou na morte de 87 pessoas. Depois da comoção inicial e de volta aos Estados Unidos, os músicos se manifestaram pela primeira vez sobre essa fatídica noite por meio de um comunicado em sua página de Facebook.

Mais informações
Bataclan, uma casa de shows histórica de Paris
“Foi uma carnificina. Todos os meus amigos ficaram lá dentro”
Público do Bataclan tentava fugir pela janela

"Enquanto a banda está agora em casa, a salvo, estamos horrorizados e ainda tentando assimilar o que ocorreu na França", começa a mensagem. Nos ataques morreram Thomas Ayad, executivo da Universal Music, a gravadora da banda, e Nick Alexander, um britânico que realizava a venda de merchandising do grupo no show. A eles a banda dedicou uma menção especial no comunicado. "Nossos pensamentos e corações estão primeiro e, principalmente, com eles e com todos os amigos e fãs cujas vidas foram arrebatadas em Paris".

A banda também agradeceu a polícia francesa, o FBI e os departamentos de Estado da França e dos Estados Unidos. "E especialmente a todos aqueles que estavam no local conosco, que se ajudaram da melhor forma que puderam durante essa penosa experiência, provando mais uma vez que o amor ofusca o diabólico", assinalaram.

Eagles of Death Metal também lembrou que todos os seus shows estão cancelados indefinidamente. O grupo liderado pelos norte-americanos Jesse Hughes e Josh Homme concluiu a mensagem em sua rede social com uma frase em francês: "Vive la musique, vive la liberté, vive la France, and vive EODM [sigla que se refere ao nome do grupo]".

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS