Eleições na Argentina 2015

Reviravolta política na Argentina entusiasma investidores

Perspectivas de vitória da oposição no segundo turno motiva alta de 12% na Bolsa

Cristina Kirchner durante um comício.
Cristina Kirchner durante um comício.M. B. (REUTERS)

O bom resultado do liberal Mauricio Macri no primeiro turno da eleição presidencial argentina, há oito dias, e as perspectivas de vitória dele no segundo turno, em 22 de novembro, entusiasmaram os investidores financeiros, levando a Bolsa de Buenos Aires a subir 12% em uma semana, e despertaram a curiosidade do cauteloso empresariado local. Os sindicatos, por outro lado, se dividiram: as centrais kirchneristas vaticinam que Maurício Macri imporá ajustes se vencer, ao passo que os grupos de oposição se situam entre o receio e a predisposição a colaborar com o futuro Governo.

Mais informações

O índice Merval da Bolsa portenha subiu 12% nesta semana. Os títulos públicos argentinos também se valorizaram, e com isso o risco-país caiu 10%, ficando em 485 pontos-base, cada vez mais perto do Brasil. É fato que a economia brasileira, a maior do Mercosul está em recessão, mas não se pode esquecer que a Argentina deixou de pagar dívidas em 2014 por causa do bloqueio judicial nos EUA, em decorrência da disputa com os chamados fundos abutres.

“Há otimismo, mas os investidores querem ver para onde a Argentina vai”, diz Luciano Cohan, da consultoria Elypsis. Desde segunda-feira, ele vem recebendo muitas ligações de fundos de investimento dos EUA perguntando quem vencerá o segundo turno entre Macri, da aliança Mudemos, e o governista Daniel Scioli, da Frente para a Vitória. Os investidores querem saber também como esse resultado afetará a economia e se a Argentina será governável. “Há compra de ações e títulos, mas não grandes movimentos. Tem gente que não olhava para a Argentina, e agora estamos no radar. Mas os grandes investimentos ainda vão demorar: há pessoas interessadas na infraestrutura, no petróleo, mas faltam sinais de que virão com grana. O tema dos fundos abutres é tão sério como a taxa de câmbio, porque há fundos de investimento que não podem investir em países em default [suspensão de pagamentos]”, diz Cohan.

Acordo básico

Três dias antes das eleições, a empresa Air Nostrum surpreendeu ao anunciar a aquisição de 40% da companhia aérea local Sol. É o primeiro investimento de uma firma espanhola na Argentina depois da nacionalização de 51% das ações da YPF pertencentes à Repsol.

O presidente da Câmara Argentina de Comércio, Carlos de la Vega, opina que “as expectativas que Macri gera estão vinculadas à vontade de eliminar o estado de crispação na sociedade e aos oito anos de experiência dele na administração da cidade de Buenos Aires, que se traduziram em obras públicas”.

O risco-país argentino caiu 10%, ficando em 485 pontos, cada vez mais perto do Brasil

De la Vega destaca que tanto Macri como Scioli “sustentam o mesmo: baixar a inflação, ordenar o gasto público e os subsídios econômicos e solucionar a dívida externa, cada um no seu ritmo, e é isso que se deve fazer para gerar um clima de negócios favorável ao investimento”. Após anos de crescente protecionismo, De la Vega defende que a Argentina discuta “que tipo de indústria deseja, se será um país autárquico ou orientado para agroindústria, a tecnologia e a mecânica e metalurgia”. Ele antevê que o país será governável mesmo se o peronismo, no poder há 13 anos, sair derrotado. “A grande maioria da sociedade está clamando por um acordo básico.”

No mundo sindical, prevalece outra perspectiva. O líder de uma das centrais operárias antikirchneristas, Pablo Micheli, opina que “não é bom sintoma para os trabalhadores que os mercados reajam favoravelmente, porque faz recordar as velhas épocas de redução do gasto público, salários congelados, mais pobreza e distribuição mais regressiva da riqueza”.

Hugo Yasky, chefe de outra central sindical – esta kirchnerista –, adverte que uma eventual vitória de Macri “significa para os trabalhadores uma ameaça concreta, porque trará desvalorização do peso e abertura econômica”. Mas especula que “Macri vai tentar não ficar contra todo o campo popular ao mesmo tempo”.