Coluna
i

Alguém no comando?

Dilma, incompetente do ponto de vista administrativo, inábil politicamente e pobre de ideias, perdeu as rédeas

A presidenta Dilma Rousseff, nesta terça-feira na Finlândia.
A presidenta Dilma Rousseff, nesta terça-feira na Finlândia.LEHTIKUVA / REUTERS

Quando, ao final de seu mandato em 2010, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva resolveu bancar a candidatura da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, à sua sucessão, ele alicerçava a decisão em sua popularidade –80% dos brasileiros aprovavam seu governo. Dilma nunca havia disputado nenhuma eleição e sua carreira política se limitava ao exercício de cargos burocráticos. Impondo sua vontade ao partido, Lula apostou em Dilma, certo de que com seu prestígio elegeria até um poste. Não foi tão fácil assim, porque as desconfianças com relação à condenável maneira de governar do PT começavam a surgir: houve necessidade de um segundo turno, quando então ela tornou-se Presidente da República com 56% dos votos válidos.

Mais informações

Mas com o passar do tempo as bombas de efeito retardado ativadas pelo governo Lula foram explodindo. A economia, baseada no desenvolvimentismo (herança, aliás, da ideologia vigente durante a ditadura militar), definhou; a ideia de incorruptibilidade petista ruiu; o aparelhamento do Estado esvaziou os movimentos populares; os sistemas públicos de saúde e educação desmoronaram; a violência alastrou-se; o banditismo consolidou-se nos Três Poderes. E a presidente Dilma, incompetente do ponto de vista administrativo, inábil politicamente e pobre de ideias, perdeu as rédeas. Se no primeiro mandato, ainda usufruindo do que restava da ilusão de crescimento, conseguiu manter alguma autoridade, agora, em apenas nove meses do segundo mandato, pressionada pelo canibalismo peemedebista, pela pusilanimidade tucana e pelo “fogo amigo” petista, ela já não governa, e o país afunda numa perigosa crise institucional.

O que mais espanta é o papel assumido pelo ex-presidente Lula que, ignorando Dilma e os dirigentes do partido, age como os velhos coronéis que na primeira metade do século XX eram donos dos mandatos, e por consequência das consciências, de deputados e senadores. Lula negociou e determinou a ampliação da participação do PMDB na recente reforma ministerial, incluindo a indicação do deputado Celso Pansera, do Rio de Janeiro, para o Ministério da Ciência e Tecnologia –Pansera é aquele que o doleiro Alberto Yousseff denominou de “pau mandado” do presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Num esforço patético, Lula pediu ainda à bancada do partido para poupar Cunha de um possível impeachment, num momento em que até mesmo os tucanos retiravam o apoio a ele. E agora prega, abertamente, a derrubada do ministro da Fazenda, Joaquim Levy.

O que mais espanta é o papel assumido pelo ex-presidente Lula, que age como os velhos coronéis da primeira metade do século XX

A interferência de Lula no governo de Dilma, até há pouco sua pupila, não visa a busca de saídas para o país – fosse isso, usaria o que permanece de seu capital político para propor uma solução suprapartidária junto às outras lideranças, um pacto social, por exemplo. Na verdade, o movimento do ex-presidente não difere em nada de suas atitudes anteriores em situações semelhantes: como um imperador romano, ele condena aos leões todos os que atrapalham seus planos, sejam inimigos ou amigos –chamem-se José Dirceu, João Vaccari Neto, José Genoíno, José Carlos Bumlai ou Dilma Rousseff. Assim, sem comando, o país navega à deriva.

Ao longo da década de 1970, a Itália encontrava-se mergulhada num caos político que emperrava o desenvolvimento econômico. Membros de grupos neofascistas e das Brigadas Vermelhas promoviam sequestros e atentados, a máfia entranhava-se nas instituições públicas, os sindicatos paralisavam o país –situação apenas contornada a partir de meados da década seguinte, quando, fortalecido, o Estado neutralizou os extremistas tanto à direita quanto à esquerda, realizou a Operação Mãos Limpas para combater a corrupção e, com a economia reorganizada, diminuiu o número de greves. Aquele período de impasse está brilhantemente retratado no longa-metragem “Ensaio de orquestra”. Ali, Federico Fellini propõe uma reflexão a respeito da importância fundamental do maestro na condução da orquestra. Não há harmonia onde ausenta-se o comando –é o que parece deixar claro o cineasta italiano. Uma lição a ser aprendida.