Portugal apoia nas urnas as políticas de austeridade do Governo

Conservadores venceram com 38,5% dos votos e 104 assentos no Parlamento

El candidato del partido conservador, Pedro PassosBloomberg (atlas)

Os portugueses aprovaram neste domingo nas urnas as políticas de austeridade que a atual coalizão no Governo, a centro-direita PSD-CDS, implementou nos últimos quatro anos. No entanto, perderam a maioria absoluta. O partido obteve 38,5% dos votos e 104 assentos no Parlamento (132 em 2011), enquanto que o Partido Socialista de Antonio Costa conseguiu 32,4% dos votos e 85 cadeiras (74 há quatro anos). Já o Bloco de Esquerda (BE) logrou 10,2% dos votos e 19 assentos (oito em 2011); o Partido Comunista, 8,1% dos votos e 17 assentos (16 em 2011); e o Partido Animalista, 1,4% dos votos e apenas um lugar no Parlamento.

Mais informações

Com estes resultados, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, que se distingue por aplicar os cortes exigidos pela Europa, se declarou neste domingo disposto a formar um Governo, após admitir que não havia conseguido o objetivo de formar uma maioria "suficiente" para articular o Executivo estável. Para atingir a maioria absoluta, é necessário conseguir 45% dos votos e 116 assentos no Parlamento. Na assembleia haverá uma (diversa) maioria de esquerda, o que poderá conduzir o país a um período de instabilidade política.

"Seria estranho que o ganhador das eleições não possa governar", anunciou um sempre comedido Passos Coelho. "Mas o importante é reconhecer que o Parlamento é diferente. Não deixaremos de nos dirigir aos que, como o Partido Socialista, respeitam as regras europeias e a permanência na moeda única".

"O Partido Socialista não alcançou seus objetivos", reconheceu o secretário-geral António Costa. E aclarou que a maioria a favor de uma mudança (PS, PC e BE) "não é uma maioria de Governo". "O PS não contribuirá para maiorias negativas".

A vitória da coalizão de Passos Coelho é a primeira de um governo que implementou as duras receitas da troika para sair da crise. Foi o aluno aplicado da austeridade e um exemplo na boca da chanceler alemã, Angela Merkel, especialmente quando Syriza chegou ao poder na Grécia e procurou o apoio dos países do sul para renegociar a dívida. Passos Coelho se mostrou absolutamente contra qualquer perdão à Grécia e nunca apoiou os planos do antigo ministro de Finanças grego Yanis Varoufakis.

A vitória de Passos Coelho foi a primeira de um político que aplicou fielmente as receitas da “troika” contra a crise econômica

O primeiro-ministro português lembrou que as condições de resgate que tinham os gregos eram melhores que a dos portugueses e que os compromissos existiam para serem cumpridos. Num primeiro momento, foi o único que manteve uma postura tão radical, enquanto o socialista Costa apostava em uma aproximação com a Grécia.

Durante esses quatro anos de Governo – três deles com a troika –, Passos Coelho reduziu o desemprego de 17,5% para 12,4%; o déficit de 7,5% para 3%, de acordo com previsões para este ano, e privatizou empresas no valor de 10 bilhões de euros, apesar de a dívida ter aumentado para 128,5% do PIB.

A vitória da dupla Passos Coelho-Paulo Portas não se apoiou em promessas nem em cortes de impostos, mas apenas na ideia de que o pior já passou e que é melhor não mudar de Governo. Eles nunca falaram do fim dos cortes, apenas de um relaxamento.

A abstenção foi a maior da história, 45,6%, quatro pontos a mais do que em 2011

Sem maioria absoluta, o presidente da República desempenha um papel determinante, pois tem a capacidade de encarregar um Governo, dissolver a Câmara e convocar novas eleições (depois do cumprimento de certos prazos).

O presidente Cavaco Silva afirmou na sexta-feira que não aceitaria um governo saído de pactos extraparlamentares, e ontem, depois de votar, foi mais cauteloso. “Os governos saem do voto da Assembleia da República". Mas diante de um resultado de minorias, acrescentou: “Estudamos todos os cenários. Só precisamos saber qual é o cenário que os portugueses determinaram”. Como já se sabe, um cenário no qual o partido com mais votos pode não governar.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: