10 pontos sobre as eleições de Portugal, às voltas com os cortes

Os 230 parlamentares eleitos deverão decidir quando acabar com a austeridade

O primeiro ministro português Pedro Passos Coelho.
O primeiro ministro português Pedro Passos Coelho.FRANCISCO LEONG / AFP

Nove milhões e meio de portugueses estão convocados às urnas, neste domingo, para escolher os 230 deputados que elegerão um novo Governo. Devem optar entre dar continuidade ao atual Executivo de centro-direita (PSD-CDS) ou apostar em um de esquerda, liderado pelo socialista António Costa. Nenhuma pesquisa aponta maioria absoluta, mas há alguns pontos-chave sobre os quais se apoiar para decidir o futuro de Portugal.

1. Quais são os principais temas da campanha?

Mais informações

Os cortes nas prestações sociais e os impostos são alguns dos grandes temas desta campanha eleitoral. O imposto sobre a renda tem uma sobretaxa de 3,5%; e o IVA é de 23% em produtos básicos. Até um ano atrás, o popular cachorro-quente era tributado com 23% de IVA.

A emigração dos jovens e dos mais bem formados é outra preocupação da sociedade portuguesa.

2. Em que se diferenciam os principais programas?

O PSD-CDS quer acabar com os cortes em um prazo de quatro anos; o PS quer fazer o mesmo em dois anos. O PC e o Bloco querem terminar com todos os cortes imediatamente.

3. Como está a economia portuguesa às vésperas das eleições?

- O desemprego: caiu de 17,5% em 2013 para os 12,4% atuais.

- O PIB: cresce acima da média da União Europeia.

- O déficit: o Governo promete terminar o ano abaixo dos 3% exigidos por Bruxelas. No primeiro semestre, foi de 4,5%.

- A dívida: é a terceira maior da Europa, atrás da Grécia e da Itália. Está em torno de 128% do PIB.

- A emigração: nos últimos dois anos, 200.000 pessoas emigraram; nos últimos quatro, quase 5% da população abandonou o país.

4. Quem são os principais candidatos?

Pedro Passos Coelho, atual primeiro-ministro e líder do centrista PSD.

Pablo Portas, vice-primeiro-ministro, líder do CSD, que faz coalizão com o PSD.

António Costa, líder do Partido Socialista, ex-prefeito de Lisboa.

Jerónimo de Sousa, líder do Partido Comunista.

Catarina Martins e Mariana Mortágua, líderes do Bloco de Esquerda.

5. Quais são os desafios para o país?

Parar a emigração e o envelhecimento da população, diminuir a burocracia e a administração pública; cumprir os acordos com Bruxelas.

6. Depois de três anos sob influência da troika, não nasceu nenhum Podemos?

Na verdade, não. Um Partido Comunista marxista-leninista continua atraindo por volta de 10% dos votos. Também não existem partidos xenofóbicos ou de extrema-direita que sejam relevantes.

7. Quem vai ganhar?

As pesquisas apontam uma provável vitória da coalizão governista PSD-CDS, mas sem maioria absoluta.

Durante a campanha, houve pesquisas diárias da Intercampus para a TVI, o Público e a TSF; e da Universidade Católica para a rádio e televisão públicas (RTP). Todas concordaram com a subida do PSD-CDS e do Bloco de Esquerda. Mas, nessas pesquisas, mais da metade dos entrevistados se negou a opinar, e por volta de 21% ainda não havia decidido seu voto até a última sexta-feira.

8. Pode haver uma maioria de partidos de esquerda?

Em votos, é quase certeza; em assentos no parlamento, poderia acontecer, mas as diferenças entre o PS e o PCP – a terceira força eleitoral – são intransponíveis, o que impediria um governo com maioria absoluta.

9. Como a abstenção pode influenciar?

Tradicionalmente, diz-se que favorece a direita. Com aproximadamente 35% de abstenção, o PS conseguiu maioria absoluta; o PSD-CDS a obteve com 41%.

10. O que acontece se não houver uma maioria clara?

Governará o partido com mais assentos no parlamento (PSD-CDS ou o PS), com maioria simples. Supõe-se que, com esse cenário, no primeiro ano de legislatura, seria aprovado o orçamento com votos de parte da oposição, para dar estabilidade ao país. E no segundo ano, novas eleições seriam convocadas.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50