Verne

Fomos advertidos: a mensagem de Angelina sobre os refugiados sírios

Atriz retransmite na internet discurso premonitório sobre a Síria feito em abril na ONU

Angelina Jolie durante participação na ONU em abril.
Angelina Jolie durante participação na ONU em abril.

Graças à internet, as palavras de Angelina Jolie estão sendo ouvidas, nestes dias, nos parlamentos e nas casas de inúmeros cidadãos. A atriz enviou na última segunda-feira ao jornal britânico The Times uma carta, assinada em conjunto com a baronesa Arminka Helic, em que defende “uma saída diplomática que ajude a solucionar o conflito na Síria”. As duas acreditam que o simples acolhimento de refugiados “não resolverá o problema”. A divulgação da carta coincidiu com a visita da atriz à Inglaterra como embaixadora do Alto Comissariado da ONU para Refugiados (ACNUR).

Mais informações

Quando as suas palavras começaram a circular na internet depois de terem sido publicadas pelo jornal em sua edição digital, não só foram postados, até o momento, mais de 15.000 tuites (segundo dados da Topsy) sobre o assunto, como voltou a se difundir nas redes o discurso por ela pronunciado em abril passado na sede das Nações Unidas, em Nova York, em que denunciava a situação vivida pelos sírios.

“Não deveríamos nos surpreender com o fato de pessoas que sofreram anos de guerra e viveram em campos de refugiados com alimentação precária estejam agora tomando decisões em sua própria defesa. Quantos de nós poderiam dizer honestamente que não fariam a mesma coisa se estivessem no seu lugar, enfrentando o medo, a perda de esperança e uma evidente ausência de vontade política internacional para se acabar com esse conflito?”, escreve Jolie, que tem feito viagens a regiões de conflito como embaixadora. “Nossos vizinhos sírios têm suportado os piores fardos durante anos, com uma generosidade exemplar, e agora precisam de nossa ajuda. Todos os países, todos os governos devem ter um plano claro para assumir suas obrigações internacionais e que leve em conta as necessidades das pessoas”.

Em abril, em Nova York, a atriz utilizou o mesmo tom, em mensagem semelhante, antes mesmo de ocorrer o movimento maciço de refugiados sírios em direção ao litoral europeu. O vídeo, disponível no canal da CNN no YouTube, soma desde então mais de 90.000 reproduções, mas, quando se examina a evolução desse número com base nas estatísticas disponibilizadas pela própria plataforma, pode-se constatar um grande aumento nos últimos dias, coincidindo com a divulgação de sua nova carta.

Ressuscitado, o vídeo chegou à Espanha traduzido, entre outros canais, na página do Nais, uma publicação noticiosa, no Facebook, e registrou mais de um milhão de reproduções desde sua publicação, em 4 de setembro.

Em sua carta, Jolie lembra que, naquilo que ela chama de “uma situação de emergência”, é preciso saber distinguir os diferentes tipos de migrantes. “Deveríamos saber distinguir os emigrantes econômicos, que procuram escapar da pobreza extrema, dos refugiados que fogem de uma ameaça imediata a suas vidas. Todas as pessoas que deixam seus países sob essas circunstâncias trágicas têm de ter os seus direitos humanos e sua dignidade respeitados, assim como suas necessidades compreendidas e atendidas. Não deveríamos estigmatizar ninguém por ansiar por uma vida melhor”.

A atriz não apenas descreve o horror de que foi testemunha, como também faz uma advertência aos países de acolhimento: “Esta não é a primeira crise de refugiados que acontece, e não será a última. Da Europa à América, nossos países se baseiam em uma tradição de ajuda a refugiados, desde os flagelos resultantes da Segunda Guerra Mundial até a crise dos Bálcãs nos anos noventa. A maneira como agiremos neste momento definirá o tipo de nação que somos, a profundidade de nossa humanidade e a força de nossas democracias”.

A carta publicada pelo The Times não é a única declaração pública recente de Jolie. Ele fez também uma visita ao parlamento inglês, durante a qual falou sobre a violência sexual que atinge as vítimas de uma guerra como a da Síria. (Veja abaixo o vídeo em inglês).

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50