Eleições Estados Unidos

Donald Trump faz aflorar o lado mais conservador dos republicanos

Magnata mantém suas posturas mais polêmicas em um debate marcado pela imigração

Sob a pressão da transmissão ao vivo na televisão e do escasso tempo para responder perguntas, o primeiro debate dos candidatos republicanos à Casa Branca em 2016 foi um termômetro da longa disputa eleitoral: consolidou os candidatos com maiores condições de conseguir a nomeação e constatou a virada conservadora propiciada pela subida de Donald Trump nas pesquisas.

Todos os olhares na noite de quinta-feira no debate de Cleveland estavam em Trump, que lidera as sondagens a 15 meses das eleições presidenciais. E o magnata imobiliário não decepcionou. Manteve sua retórica provocadora, até mesmo contra uma das moderadoras do debate, e dominou o palco: mostrou-se firme em seus argumentos críticos contra a imigração e o establishment político, evitou perguntas espinhosas, foi pouco atacado pelos outros candidatos e conseguiu até mesmo que alguns deles respaldassem suas opiniões.

O ex-governador da Flórida Jeb Bush – segundo nas pesquisas – e o senador Marco Rubio– sexto – se apresentaram com segurança no ginásio de basquete dos Cleveland Cavaliers e mostraram um perfil presidencialista. Rubio esteve especialmente à vontade e didático. E manteve sua mensagem de novidade, posicionando-se como um candidato jovem – é 20 anos mais novo do que Bush e Trump, que estão na casa dos sessenta – conectado com os desafios do futuro.

Tanto Rubio como Bush mandaram mensagens duras sobre a imigração e assuntos sociais, apesar de mostrarem discurso progressista em política econômica: defenderam o apoio à classe média afetada pelos efeitos da crise econômica, em uma tentativa de fazer frente à estratégia de Hillary Clinton contra a grande desigualdade de renda, a favorita à nomeação do Partido Democrata. “Precisamos levantar os ânimos. Existem seis milhões de pessoas a mais em situação de pobreza do que no início do mandato de Obama”, disse Bush.

Mais informações

O governador de Wisconsin, Scott Walker – terceiro nas pesquisas – mostrou-se um pouco mais contido do que os outros favoritos e foi o mais conservador deles em assuntos sociais, como o aborto. Walker, assim como Trump, Bush e Rubio conseguiu dar a sensação de sobressair-se no debate, que é um desafio devido ao formato com 10 participantes e poucos minutos para cada um deles.

Nas duas horas do debate, que em linhas gerais manteve o tom diplomático, Donald Trump insistiu na mensagem catastrofista que o fez subir nas pesquisas a seis meses do início do processo das primárias. “O país tem um problema sério”, disse o empresário, que se apresentou como o único candidato autêntico – “Acredito que o principal problema desse país é ser politicamente correto”, disse – e capaz de enfrentar as ameaças externas: a suposta responsabilidade do México na chegada dos imigrantes aos EUA e da China no desembarque de produtos comerciais baratos.

Sobre imigração, Trump acusou novamente o México de enviar criminosos, mas colocou a responsabilidade nos Estados Unidos. “Nossos políticos são estúpidos e o Governo mexicano é muito mais esperto (...) porque não quer tomar conta deles quando os estúpidos líderes dos Estados Unidos o farão”, afirmou diante dos aplausos de parte do público.

O magnata e estrela da televisão se gabou de ter transformado a imigração em um assunto importante na campanha e sua linha dura contagiou os outros candidatos. Como já havia ocorrido nas últimas semanas, frisaram que a prioridade deve ser garantir a segurança fronteiriça. Rubio disse, inclusive, apoiar o plano de Trump em construir um muro fronteiriço com o México e disse entender parte do sentimento de frustração sobre a imigração. “As pessoas sentem que estão se aproveitando de nós”, afirmou sobre a entrada de imigrantes ilegais.

Trump, Bush, Rubio e Walker se sobressaíram no debate, que é um desafio devido ao formato com 10 participantes e os escassos minutos

E Bush, o mais moderado em imigração, reiterou sua aposta em estabelecer um caminho para a regularização, mas frisou que deve ser com condições e defendeu uma melhora na segurança. “Precisamos controlar nossa fronteira, é nossa responsabilidade escolher quem entra”, disse.

Os candidatos também abordaram o estado da economia, a política exterior do Governo Obama e sua reforma na área de saúde. As críticas foram duras, mas a censura ao presidente e a Hillary Clinton foi menor do que o esperado. Os candidatos pareciam mais preocupados em evitar erros, conscientes de que, com o início dos debates, abre-se uma nova fase na longa disputa eleitoral.

Após o debate de Cleveland, estão previstos outros 11 dos republicanos. O último será em março de 2016. O processo das primárias, no qual um grupo de simpatizantes vota nos candidatos, só começa em fevereiro. Para conseguir a nomeação, além de se destacar nas primárias, o candidato vencedor deve ter força econômica, o apoio das elites e construir uma coalizão ampla na heterogênea base republicana. A convenção para designar o candidato republicano à Casa Branca será realizada em julho em Cleveland, no mesmo ginásio do debate.

Nas primárias, os eleitores mais radicais costumam votar em massa, o que pode prejudicar os candidatos mais moderados. Essa realidade é especialmente visível em Iowa, o primeiro Estado que realizará as primárias. Em New Hampshire, o segundo Estado, existe uma proporção significativa de eleitores independentes, o que pode ocasionar surpresas.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50