“Queria um cachorro que fosse como Jack Nicholson”

Em ‘White God’, Kornél Mundruczó coloca cães para atuarem sem a ajuda do computador

Hagen, protagonista de ‘White God’. Ampliar foto
Hagen, protagonista de ‘White God’.

Foi um processo longo, até dois meses de procura. Mas a escolha do protagonista não podia falhar. “Queria um Dr. Jekyll e Mr Hide, alguém como Jack Nicholson, capaz de ser amável e agressivo ao mesmo tempo, preto e branco”, relata o cineasta Kornél Mundruczó. Finalmente foi encontrá-lo nos EUA, num bairro pobre dos confins do Arizona. Como ocorre com os bons atores, bastou um só vídeo para que Hagen convencesse o diretor: ele poderia rodar sequências de ação ou dramáticas, e com um olhar sabia aterrorizar ou enternecer. Era perfeito, exceto por um problema: se não o contratassem imediatamente, no dia seguinte iria parar atrás das grades. Então Mundruczó se apressou a dizer que sim: que carrocinha nenhuma levaria embora o seu astro canino. Que Hagen era exatamente o cão que ele procurava.

Junto com ele – e com seu irmão gêmeo e dublê –, Mundruczó contratou vários outros colegas, todos oriundos de canis. Assim reuniu a maior parte do elenco de White God, que estreia hoje em São Paulo e no Recife após ganhar o prêmio da sessão Um Certo Olhar, no Festival de Cannes de 2014 e de ser escolhido pela Academia de Hollywood para concorrer ao Oscar de melhor filme de língua não inglesa este ano (porém, não ficou entre os cinco finalistas). Trata-se de uma fábula agridoce sobre a discriminação e o amor entre uma menina e seu melhor amigo – e isto num mundo onde os cães de raça impura são sempre castigados, até que decidem se rebelar; onde o mais amável dos animais pode, por culpa dos seres humanos, se tornar uma máquina de matar.

Seres humanos esses, aliás, que realizaram um filme impressionante, por dois motivos. Primeiro: há dezenas de cães atuando ao mesmo tempo na tela. Segundo: em nenhum instante sua atuação conta com a ajuda do computador. É tudo tão animal quanto real. Os cães brigam, choramingam, correm, saltam, interagem com os outros atores e até se sentam diante da televisão para ver um desenho animado com gatos – Tom e Jerry, em The Cat Concerto. Como Mundruczó conseguiu? “É necessário um método, é muito difícil. É preciso prepará-los durante meses para que interpretem esses personagens. Queria que o público os visse como o cachorro da sua casa, da sua família, não como um treinamento”, relata o cineasta.

No fim das contas, Mundruczó tentava compartilhar o que o havia deixado impressionado dois anos antes. “Fui a um canil, olhei nos olhos dos cães e fiquei comovido. Como ser humano, ao vê-los atrás das grades, senti vergonha”, recorda o cineasta. Aliás, desde então e cada vez mais, graças à filmagem, o cineasta se tornou um ativista. “Gostaria de viver em uma sociedade em que os animais tenham direitos”.

Em busca da emoção que havia sentido, o criador húngaro renunciou a qualquer apoio tecnológico. “Queria filmar as verdadeiras emoções dos animais”, afirma. Mas, claro, imagine expor essa frase – ou uma sequência onde centenas de cães perseguem uma menina em uma bicicleta – em uma reunião com possíveis patrocinadores. “Ninguém entendia como poderíamos fazer este filme sem um computador. Diziam que estávamos loucos”, conta Mundruczó. Tampouco compreendiam seu empenho em misturar gêneros. Quanto mais o cineasta explicava que White God era um filme para famílias, mas também de horror e de ação, mas seus endinheirados interlocutores fugiam.

Kornél Mundruczó e Zsófia Psotta, na filmagem de 'White God'. ampliar foto
Kornél Mundruczó e Zsófia Psotta, na filmagem de 'White God'.

Ele, no entanto, se manteve firme em sua missão. O habitual cinema de franquias e déjà vu de hoje em dia não parece interessar Mundruczó. “Nos últimos 10 anos, os filmes se tornaram mais conservadores. Fazer algo diferente significa correr muitos riscos. Mas eu jamais gostaria de viver em um mundo onde você come a mesma coisa todos os dias”, defende o diretor.

Seu currículo cinematográfico confirma suas palavras. Entre uma Joana d’Arc viciada em drogas (Johana, 2005) e um Frankenstein jovem e prisioneiro da solidão (Tender Son: The Frankenstein Project, 2010), Mundruczó tem prazer em levar às telas abordagens peculiares. Em White God, as influências vão de O flautista de Hamelin a Coetzee, passando por Jurassic Park. “Os contos de fadas revelam mais sobre a realidade do que o próprio realismo. Acredito em buscar nossos mitos comuns para encontrar algo mais próximo à realidade. A arte é lírica e poética. Não é jornalismo”, acrescenta o diretor.

Um fotograma de 'White God'. ampliar foto
Um fotograma de 'White God'.

Além disso, nesse caso, o cineasta se viu obrigado a buscar algo ainda mais original. Não só a história mas também seu estilo tinham que ser novos: “O Leste Europeu já não é mais uma região de países lentos, melancólicos, parados no tempo. Agora é o contrário: capitalista, agressiva, intolerante. Se o mundo mudou, preciso encontrar uma linguagem cinematográfica que possa mostrar isso”. Entre esses países hoje tão distintos também está sua Hungria natal. De fato, o país também é coprodutor do filme, através do Fundo Nacional para o Cinema: “Está funcionando muito bem, tem um dinheiro aceitável e não exerce um controle político – o que de fato ocorrem em todas as demais formas de arte. O problema é que se trata da única janela para se fazer filmes. Se você não consegue dinheiro deles, fica sem nenhuma outra alternativa”.

Assim muitos filmes são perdidos pelo caminho. Mas White God foi feito e agora gira pelo mundo, impulsionado por Cannes e principalmente pelo Oscar. Um final feliz como o de seus protagonistas: nenhum cachorro do filme voltou para seu canil. Hoje todos têm uma família. “E eles mudaram muito em relação a quando começamos”, diz o diretor. Claro. Agora são estrelas.

MAIS INFORMAÇÕES