_
_
_
_

Avalanche deixa ao menos 48 mortos no noroeste da Colômbia

Um forte aguaceiro provocou o transbordamento de um riacho no povoado La Margarita

Um setor do município de Salgar depois da avalanche.
Um setor do município de Salgar depois da avalanche.EFE

Quarenta e oito pessoas morreram no município de Salgar, departamento de Antioquia (no noroeste da Colômbia), depois do transbordamento do riacho Liborina em consequência do forte aguaceiro registrado na madrugada desta segunda-feira, segundo informação oficial da Unidade Nacional para a Gestão de Risco de Desastres. “Depois da emergência, foi declarada calamidade pública. Há relatos também de que houve 27 feridos trasladados a centros assistenciais”, disse um comunicado, o qual esclarece que há pelo menos 30 famílias afetadas. O presidente Juan Manuel Santos já se deslocou até o lugar do acidente.

Mais informações
Quinze mineiros ficam presos em duas minas de ouro na Colômbia
Por risco de câncer, Colômbia veta fumigação para erradicar coca
A perigosa relação entre o tráfico de drogas e o futebol

Unidades de resgate de vários municípios vizinhos, assim como da direção da Defesa Civil de Antioquia, foram enviadas para socorrer as vítimas, em sua maioria do povoado La Margatira e dos bairros Las Peñitas e setor Los Mangos, de Salgar, onde o impacto da avalanche foi maior.

Os feridos foram trasladados para o município vizinho de Ciudad Bolívar. Santos anunciou que o diretor da Unidade Nacional para a Gestão de Risco de Desastres, Carlos Iván Márquez, estará à frente da emergência. “Os afetados receberão todo o nosso apoio”, escreveu o presidente no Twitter.

Salgar se encontra a 97 quilômetros de Medellín, tem 18.000 habitantes e permanece sem água porque a avalanche arrancou parte das conexões do aqueduto. Não há também gás e energia, serviços que foram suspensos como medida de precaução. Liliana Parra, habitante de Salgar e diretora da Fundação Orus, disse à Blu Radio que “as pessoas estão arrasadas, há muitas medidas preventivas. Não se sabe se isso poderá se repetir”.

Essa é a segunda tragédia na Colômbia em menos de uma semana. Na quinta-feira, 15 mineiros ficaram presos em uma mina de ouro explorada de modo artesanal em Caldas, centro do país, quando a água de um rio entrou no local. A emergência ocorreu depois de uma falha no sistema de energia elétrica que impediu que as motobombas drenassem a água do rio que permanentemente se infiltra na mina. Até o momento, as equipes de resgate localizaram cinco corpos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_