‘La Bombonera’ resolverá a ‘trilogia de maio’ do futebol argentino

River ganha por 1-0 o segundo superclássico argentino seguido A volta no estádio do Boca resolverá a eliminatória da Libertadores

Carlos Sánchez celebra seu gol contra o Boca Juniors.
Carlos Sánchez celebra seu gol contra o Boca Juniors.GUIDO BECK (EFE)

A trilogia de maio, como os argentinos chamam os três jogos Boca-River seguidos, já está pronta para o episódio final. O Boca ganhou o primeiro, o do campeonato, com um 2 a 0 definitivo em casa. O River devolveu e ganhou ontem à noite o segundo, a ida das oitavas de final da Copa Libertadores, com um 1 a 0 de pênalti depois de uma partida dificílima. Tudo será decidido na Bombonera na próxima quinta-feira. Dessa trilogia sairá um campeão da batalha eterna entre os dois grandes times argentinos.

O River entrou para ganhar e sobretudo para defender seu gol. Isso incluiu entradas duríssimas, que o levaram a ficar com dez no fim, quando já não importava. O Boca, que se acreditava favorito, poderia ter marcado várias vezes, mas não conseguiu. Depois de 18 partidas invicto, escolheu o estádio menos adequado para sua primeira derrota de 2015. Uma partida em que podia acontecer de tudo, mas que no fim foi decidida por um pênalti claro e bem absurdo aos 37 do segundo tempo, marcado por Carlos Sánchez. O River dominou, sobretudo no primeiro tempo, mas não o suficiente para ficar tranquilo até o apito final.

River e Boca, dois estádios, duas torcidas, dois mundos que começaram juntos, na região da Boca, o bairro dos imigrantes, perto do rio, tão contaminado que ninguém queria morar ali e por isso era para onde mandavam os recém-chegados, os que desciam dos barcos que fugiam da fome europeia com esperança, mas sem dinheiro, e só podiam arcar com um quarto dividido em um conventillo (cortiço). O River deixou o sul de Buenos Aires onde nasceu e mudou-se para o rico norte. Desde então é dos milionários, que não querem saber nada do bairro em que o time nasceu e onde continua seu eterno rival.

Mais informações

O acesso aos dois estádios denota diferenças evidentes. À Bombonera se chega por terrenos baldios cheios de lixo. Ao Monumental o acesso é feito pela Avenida del Libertador, uma das mais caras de Buenos Aires. Na Bombonera tudo é apertado, inclusive os radicais da camisa 12, fechados por um vidro blindado que, visto do outro lado, dá a sensação de se estar observando uma criatura perigosa e cheia de vida. No Monumental todos os espaços são abertos e entre o público e o campo há uma pista de atletismo, o que impede essa sensação de peso nas costas descrita pelos jogadores na Bombonera, onde mal há lugar para bater os escanteios.

Aparentemente, a torcida do River não canta muito menos do que a do Boca. Pelo menos quando o arquirrival está à sua frente. É um falso mito. Gritam e têm longas músicas que todo o estádio canta, como os outros. Mas têm um grande problema: são muito menos ouvidas. Seus cânticos simplesmente se elevam ao vento, os cânticos dos rivais se apertam e podem ser notados no corpo nessa caixa de bombons inacabada que é o estádio do Boca. Uma caixa de ressonância perfeita. Mas os milionários também gritam, tanto que os aviões que passam a cada cinco minutos para aterrissar no vizinho Aeroparque mal são ouvidos.

Os cartazes que enchem o estádio são dos mesmos bairros populares que se vê na Bombonera. Com algumas diferenças, sobretudo devido à localização norte-sul, as duas equipes são interclassistas, grandes e ricas. Mas nem tanto quanto seus irmãos na Espanha, Itália ou Reino Unido, que levam quase desde crianças as melhores estrelas argentinas, deixando o futebol local nas mãos de promessas ultrajovens, descartes e estrelas veteranas que voltam à terra para passar seus últimos anos. Acima de tudo, as duas equipes, que antes anunciavam cervejas argentinas, agora usam na camiseta a marca de um conhecido banco espanhol, um dos mais importantes da Argentina, onde os espanhóis dominam boa parte do mercado financeiro.

O River e o Boca se unem por outras semelhanças, como o nível dos crimes cometidos pelos chefes de suas torcidas organizadas, as barras bravas. Os do Boca acabam de criar um conflito entre o Governo e o time, porque queriam voltar ao estádio depois de cumprir pena. Um deles foi processado por homicídio. O que foi líder da torcida do River, Alan Schlenker, acaba de ser condenado por assassinato.

Alheios à guerra nas arquibancadas, River e Boca passaram pela primeira fase de testes com o domínio do River. Era como se três superclássicos seguidos fossem demais e os jogadores estivessem cansados de tanta pressão. Mas logo depois de começar a segunda parte, a emoção voltou. O Boca saiu a toda, e esteve a ponto de marcar duas vezes no primeiro minuto. Dominava. Mas aí estava a torcida milionária.

Em todos os estádios do mundo, jogar em casa ajuda. Mas na Argentina, onde o público todo não para de cantar a partida inteira, a torcida é um jogador chave. E aí estava o Monumental para ajudar. “Vamos, milionários, é preciso botar mais ovos, esta noite custe o que custar, temos que ganhar”, gritavam. “Eu só quero é ser campeão na Bombonera”, animavam com o canto de sempre para o superclássico. E o River reagiu.

Durante um bom tempo, o Boca parecia sem fôlego. Mas o River perdoava. Como aconteceu na semana passada antes dos dois gols nos últimos cinco minutos, a coisa parecia encaminhada a um empate. Até que veio o pênalti e o gol. E aí, depois do 1 a 0, o River pôde encerrar a partida. Mas o Boca foi salvo por seu goleiro, que conseguiu deixar as coisas prontas para que a Bombonera decida. E ali de novo a torcida fará sua parte, o que, na Argentina, está muito acima da média.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: