LUIS ALBERTO MORENO | PRESIDENTE DO BID

“É preciso proteger os avanços sociais na América Latina”

Presidente do BID alerta para os riscos que corre a luta contra a pobreza na região

O presidente do BID, na VII Cúpula das Américas.
O presidente do BID, na VII Cúpula das Américas.Alejandro Bolivar (EFE)

A América Latina está desacelerando. A região entrou em um ocaso econômico que põe em perigo seus avanços sociais. Uma década de luta contra a pobreza pode ficar truncada por causa da crise do petróleo e da debilitação global. O presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Luis Alberto Moreno, alerta para esse risco. E pede para acelerar as reformas estruturais. Em uma cúpula invadida pelo otimismo da aproximação Washington-Havana, Moreno indica os problemas a resolver no hemisfério.

Pergunta. A América Latina sofre uma desaceleração econômica. Isso pode pôr a perder os avanços alcançados nos últimos anos?

Resposta. Tivemos uma década de enormes avanços sociais; 15 anos atrás praticamente metade da população vivia na pobreza, hoje são menos de 30%. Por isso, o mais importante é que a política econômica proteja esses avanços sociais. A dificuldade reside na falta de espaço fiscal, esse é o desafio de todos os governos. A única forma de conseguir é acelerando as reformas estruturais pendentes, e aprofundando muito mais na integração econômica entre os países. Existe aí uma importante fonte de crescimento.

Mais informações

P. Que reformas estruturais são necessárias?

R. Desde as pensões até os incentivos para a formalização do emprego. Metade dos postos de trabalho na América Latina está na informalidade. Esse tipo de reformas é central para obter um maior crescimento.

P. A Venezuela atravessa uma situação angustiante, com inflação de 70%. O que aconselha?

R. É preciso tomar decisões econômicas, mas dar conselhos sem que a Venezuela tenha pedido …

P. Cuba estreia na Cúpula das Américas e no encontro empresarial organizado pelo BID. Há muita expectativa para fazer negócios com a ilha.

R. Aqui estão os espíritos animais do setor privado. São pessoas que veem uma enorme oportunidade em Cuba, um mercado importante de mais de dez milhões de habitantes a 90 milhas do principal mercado do mundo. Vai gerar muito turismo. E têm infraestruturas como o Mariel, um dos portos de águas profundas mais importantes do Caribe, bem situado e com capacidade para se transformar em um importante centro de conexão.

P. Diante dos desafios regionais e da desaceleração generalizada, sente-se otimista ou pessimista?

R. Estamos em uma parte baixa do ciclo, simplesmente. E o escasso crescimento é o principal desafio da política econômica de todos os países latino-americanos.