_
_
_
_

Crise empurra Governo Dilma para reforma ministerial forçada

Thomas Traumann sai da Comunicação uma semana após Cid Gomes deixar a Educação

Rodolfo Borges
Traumann em março do ano passado.
Traumann em março do ano passado.Antonio Cruz (Agência Brasil)

Um dia depois de o Palácio do Planalto anunciar a demissão de Cid Gomes do Ministério da Educação, após bate-boca do então ministro com deputados na Câmara, a presidenta Dilma Rousseff negou a intenção de promover uma reforma ministerial. "Vocês [imprensa] estão criando uma reforma que não existe (...) Eu não tenho perspectiva de alterar nada, nem ninguém, mas as circunstâncias às vezes obrigam você a alterar", disse a presidenta na semana passada. Pois as circunstâncias levaram o Planalto a anunciar nesta quarta-feira em nota que "a presidenta Dilma Rousseff aceitou hoje, 25, o pedido de demissão do ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Thomas Traumann".

Mais informações
Agência mantém nota de crédito do Brasil por “correção de política”
Com pior aprovação desde 1999, Dilma busca apoio do Nordeste
“Propina na Petrobras transcende tanto o PT quanto o PSDB”
A semana em que Eduardo Cunha foi o primeiro-ministro

A demissão de Traumann foi anunciada em meio à polêmica que se seguiu ao vazamento de uma análise interna em que o então ministro falava sobre o "caos político" no país e criticava a "comunicação errática" do Governo. O documento, publicado pelo jornal O Estado de S.Paulo, ainda mencionava a utilização de robôs durante a campanha presidencial de 2014. A revelação das informações levou o senador oposicionista Aloysio Nunes (PSDB) e pedir a convocação de Traumann para prestar esclarecimentos no Congresso Nacional.

Minutos depois do anúncio de sua demissão, Traumann publicou em seu perfil no Twitter a letra de uma música de Paulinho da Viola chamada "Novos Rumos", que diz "vou imprimir novos rumos ao barco agitado que foi minha vida". A letra segue em um segundo tuíte: "Fiz minhas velas ao mar/ Disse adeus sem chorar/ E estou de partida"; e em um terceiro "Todos os anos vividos/ São portos perdidos que eu deixo para trás/ Quero viver diferente/ Que a sorte da gente/ É a gente que faz".

A exemplo do que ocorreu no anúncio da demissão de Cid Gomes — cujo cargo de ministro ainda está vago —, o Governo não anunciou quem deve substituir Traumann. Nomes como os dos jornalistas Kennedy Alencar e Eduardo Oinegue já vinham sendo cotados para o cargo antes mesmo do anúncio da demissão. Quando ocorrer, a substituição na Secretaria de Comunicação Social será a terceira do segundo mandato de Dilma na Esplanada dos Ministérios. No início de fevereiro, o professor Mangabeira Unger retornou ao comando da Secretaria de Assuntos Estratégicos no lugar de Marcelo Néri. Unger havia ocupado o posto durante o Governo Lula (2003-2010), de 2007 a 2009.

Apesar de a presidenta negar intenção de promover uma reforma na Esplanada, outras mudanças são esperadas para os próximos dias. As especulações dão conta de que o ex-presidente da Câmara Henrique Alves pode assumir o Ministério do Turismo, enquanto o criticado ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, pode perder força na articulação política para o ministro da Defesa, Jaques Wagner.

O posto de ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social — responsável pelo contato do Planalto com a imprensa, por elaborar estratégias de comunicação e por gerir as redes sociais da Presidência — não tem o mesmo peso que o do ministro da Educação em um Governo que pretende se notabilizar como promotor da "pátria educadora", no slogan lançado pela presidenta em seu discurso de posse para o segundo mandato. A própria Dilma, contudo, já vinha cobrando de seus subordinados uma melhora na comunicação de Brasília, e a queda de mais um ministro não ajuda em nada a melhorar o clima de um Governo que amarga baixa popularidade por denúncias de corrupção na Petrobras e por conta de ajustes econômicos que a presidenta havia prometido evitar durante a campanha do ano passado.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_