Estratégia de segurança dos EUA promete “impedir a agressão russa”

Novo documento reafirma o compromisso de Obama com o multilateralismo

Barack Obama durante visita em Indianápolis.
Barack Obama durante visita em Indianápolis.K. LAMARQUE (REUTERS)

O relatório da estratégia de segurança nacional dos Estados Unidos é um ritual que permite há três décadas medir a evolução das prioridades e ameaças em política externa da primeira potência mundial. O Governo de Barack Obama divulgou sua primeira estratégia em maio de 2010. E nesta sexta-feira apresentou a segunda e última de sua presidência, que se encerra em janeiro de 2017. Nesses quase cinco anos foram cumpridos alguns objetivos e previsões, mas outros fracassaram.

A relação com a Rússia é um dos melhores termômetros. Em 2010, aprofundar os laços com Moscou era uma prioridade. Era a época do chamado reset. Mas, agora, os fantasmas da Guerra Fria reapareceram e o objetivo é frear a ingerência russa de quase um ano na Ucrânia. “Vamos impedir a agressão russa, permaneceremos atentos a suas capacidades estratégicas e, se for necessário, ajudaremos nossos aliados e parceiros a resistir à coação russa no longo prazo”, assinala o relatório de 29 páginas.

Mais informações

A assessora de segurança nacional, Susan Rice, admitiu na sexta-feira essa guinada. “Grande parte de nossa atenção e recursos serão para a Rússia. Em 2010, tínhamos outra perspectiva e orientação”, afirmou em um evento sobre a nova estratégia no centro de estudos Brookings Institution. Rice insistiu na mensagem oficial que, se a Rússia não retroceder em sua ingerência na Ucrânia, os EUA, com seus parceiros europeus, ampliarão os “custos” contra Moscou.

A assessora de Obama explicou que Washington continua avaliando se entrega armas ao Exército ucraniano em sua luta contra os rebeldes pró-Rússia. “Estamos analisando os passos seguintes com nossos parceiros europeus”, disse. Mas, em uma significativa ressalva, acrescentou que gostaria de tomar a decisão de armar Kiev em “coordenação” com os parceiros. É um detalhe relevante porque alguns países europeus, como a França e a Alemanha, se opõem à entrega de ajuda militar letal, enquanto a Polônia e algumas nações bálticas optam pelo contrário. Até agora, os EUA têm coordenado com a União Europeia todas as sanções econômicas contra a Rússia.

A América lidera de uma posição de força. Mas isso não significa que possamos ou devamos tentar ditar a trajetória de todos os eventos. Poderosos como somos e continuaremos sendo, nossos recursos e influência não são infinitos Barack Obama

A estratégia de segurança também está relacionada ao compromisso norte-americano de garantir a defesa dos países do centro e norte da Europa, membros da OTAN, ante qualquer ameaça russa. Mas Rice, por sua vez, afirmou que os EUA desejam continuar colaborando com a Rússia em outras questões mundiais, como a guerra síria ou as negociações nucleares com o Irã.

O documento apresentado nesta sexta-feira coincide em grandes linhas com a doutrina de política externa formulada por Obama em um discurso em maio na academia militar de West Point. A filosofia é que os EUA continuam sendo a nação indispensável que tem de liderar as grandes crises, e que elas não podem ser solucionadas unicamente com ações militares. Mas tem de ser uma liderança realista com um enfoque multilateralista e de longo prazo que lhe reserve o direito de agir unilateralmente. “A questão nunca é se a América deveria liderar, mas como lideramos”, enfatiza Obama na introdução do relatório.

O presidente sustenta que os desafios enfrentados por seu país requerem “paciência e persistência estratégica”, embora admita certa urgência: “Adotamos nosso papel e responsabilidade excepcional em um momento em que nossas contribuições e capacidades únicas são mais necessitadas.”

Obama, porém, impõe limites: “A América lidera de uma posição de força. Mas isso não significa que possamos ou devamos tentar ditar a trajetória de todos os eventos que ocorrem no mundo. Poderosos como somos e continuaremos a ser, nossos recursos e influência não são infinitos. E em um mundo complexo muitos dos problemas de segurança que enfrentamos não têm soluções rápidas e fáceis”.

EUA dizem que gostariam de decidir em “coordenação” com seus parceiros europeus, se armam Kiev, mas a maioria deles se opõe

As grandes linhas da doutrina externa da Casa Branca pouco variaram em relação ao discurso de maio, mas houve, sim, mudanças em alguns aspectos. Na época, o presidente não fez nenhuma referência direta ao grupo jihadista Estado Islâmico (EI) e descartou a possibilidade de uma intervenção militar na Síria. Mas a ascensão dos jihadistas obrigou em junho os EUA a enviarem assessores militares ao Iraque e iniciarem dois meses depois ataques aéreos contra as posições do EI no país. Em setembro os bombardeios se estenderam à Síria. Essa campanha se fundamenta nos princípios detalhados em West Point e reafirmados na nova estratégia de segurança: liderar uma ampla coalizão com parceiros na região.

O que também muda em relação a maio é o maior otimismo sobre o papel dos EUA, em conformidade com o discurso do Estado da União pronunciado por Obama em fins de janeiro. Um dos grandes objetivos da estratégia de 2010 era superar o colapso econômico e os EUA conseguiram isso de sobra. “Hoje, os Estados Unidos estão mais fortes e mais bem posicionados para conseguir as oportunidades deste novo século e proteger seus interesses contra os riscos de um mundo inseguro”, assinala a primeira frase do relatório. “A crescente força econômica da América é a base de nossa segurança nacional e uma fonte crucial de nossa influência no estrangeiro.”

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: