Ataque terrorista em Paris

Angela Merkel admite que o islã “é parte da Alemanha”

Chanceler anuncia um pacote de medidas para endurecer as leis antiterrorismo

Merkel ao lado do primeiro-ministro da Turquía, Davutoglu.
Merkel ao lado do primeiro-ministro da Turquía, Davutoglu.B. J. / EFE

Em uma inédita mudança de posição motivada pela matança de Paris, a chanceler alemã, Angela Merkel, anunciou nesta segunda-feira que fazia suas as palavras pronunciadas há quatro anos pelo ex-presidente da Alemanha Christian Wulff, que comoveu o país quando disse, no marco das celebrações da unificação alemã, que o islã, ao lado do cristianismo e do judaísmo, era “também parte da Alemanha”.

“Naturalmente sou também presidente dos muçulmanos”, disse Wulff, em 2 de outubro de 2010, ao dar ênfase em um debate que estava envenenando a convivência pacífica no país. “Somos a Alemanha, somos um povo. E pelo fato de as pessoas com origem estrangeira serem importantes, não quero que sejam feridas em debates desnecessários. Não devemos permitir imagens infundadas, a consolidação dos preconceitos e marginalizações, porque está em jogo nosso próprio interesse nacional”.

Merkel, que participou domingo do magnífico ato de solidariedade às vítimas dos atentados terroristas que enlutaram a França, anunciou sua mudança de posição em uma entrevista à imprensa na qual estava acompanhada do primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu. “O ex-presidente Wulff disse que o islã pertence à Alemanha. Assim é, e essa opinião eu compartilho”, disse a chanceler, em um gesto dirigido à comunidade muçulmana da Alemanha, mas também destinado a tranquilizar as autoridades da Turquia.

Não foi o único gesto da chanceler para com seu hóspede turco. “Eu sou a chanceler de todos os alemães. Isso inclui os que vivem aqui de forma permanente, sem importar sua origem”, afirmou Merkel, que reiterou sua disposição a reforçar o diálogo interreligioso no país e, ao mesmo tempo, agradeceu a decisão da comunidade muçulmana de condenar a violência.

Mais informações

O primeiro-ministro turco, por sua vez, aproveitou o comparecimento diante da imprensa em Berlim para afirmar que seu país participa ativamente na luta contra o terrorismo islâmico e que as autoridades alemãs e turcas trabalham estreitamente. “Meu país é a favor de cooperar estreitamente no campo da inteligência, somos contra o terrorismo.”

A mudança de posição de Merkel tem dupla importância. Poucos dias depois do discurso pronunciado pelo ex-presidente Christian Wulff a chanceler aproveitou uma reunião da juventude de seu partido, a CDU, para anunciar que a sociedade multicultural da Alemanha tinha fracassado totalmente.

“Nós enganamos a nós mesmos. Dissemos: não vão ficar, em algum momento irão embora. Mas isso não aconteceu. E, claro, essa perspectiva (de sociedade) multicultural, de viver juntos e gostar de estar junto com o outro fracassou totalmente”, disse então Merkel, em uma passagem de seu discurso aparentemente dirigido aos quase três milhões de turcos que integram a comunidade turca que começou a se formar com a chegada dos primeiros Gastarbeiter [trabalhadores hóspedes] provenientes da Turquia em 1961.

Primeiro-ministro turco reitera seu compromisso na luta contra o terrorismo

Merkel ainda continua se opondo à entrada da Turquia na União Europeia, mas nesta segunda-feira qualificou esse país como “um aliado” na luta contra o terrorismo. A chanceler participará na terça-feira, com o atual presidente alemão, Joachim Gauck, de uma manifestação em favor da tolerância e em recordação das vítimas dos atentados de Paris, convocada pelo Conselho Central dos Muçulmanos na Alemanha e a Comunidade Turca de Berlim.

Em outro gesto destinado a combater o perigo do terrorismo na Alemanha, o Governo federal aprovará nesta quarta-feira um pacote de leis que preveem, entre outras medidas, a retirada dos documentos de identidade dos supostos jihadistas por um período de três anos, para impedir que viajem ao Oriente Médio para se unirem às forças do Estado Islâmico.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50