Podemos

Se eleição fosse hoje, Podemos seria a maior força política da Espanha

Pesquisa estima que agremiação esquerdista teria 27,5% dos votos no pleito

Pablo Iglesias na Asamblea Ciudadana de noviwmbre.
Pablo Iglesias na Asamblea Ciudadana de noviwmbre.Uly Martín

O partido esquerdista Podemos venceria as eleições gerais na Espanha se elas fossem realizadas hoje. A agremiação comandada por Pablo Iglesias se tornaria a maior força política, com 27,5% dos votos, segundo dados da última edição da pesquisa Observatório, da rádio Cadena SER. O Partido Popular (centro-direita, hoje no poder) se tornaria a segunda força, com 24,6% dos votos, quase 20 pontos a menos do que na última eleição. O Partido Socialista precisaria se conformar com o respaldo de 19% dos eleitores, o que o colocaria na terceira posição.

Mais informações

A distribuição territorial de votos nessa estimativa também beneficiaria o partido Cidadãos, liderado por Albert Rivera, em seu salto da Catalunha para o nível nacional. Com 5%, poderia se aproximar da marca do partido centrista UPyD, cuja secretária-geral, Rosa Díez, anunciou recentemente a decisão de não participar de um bloco eleitoral. Pior seria o resultado para a Esquerda Unida, com apenas 3,7% das intenções de voto – praticamente metade dos votos que obteve em 2011, o que a relegaria a ser apenas a sexta maior força política.

O Podemos arrebanharia sobretudo os votos que o Observatório chama de “órfãos” e os dos afetados pela crise. Outro manancial importante para o partido de Iglesias são os socialistas – 36% dos eleitores que até agora votavam no PSOE se dizem inclinados a optar pela nova formação. Entre os eleitores tradicionais do PP, apenas 10% pretendem migrar para o Podemos. Porém, 14% dos que já fizeram isso nas eleições para o Parlamento Europeu se arrependeram, temendo as mudanças que o Podemos poderia impor se assumisse o Governo na Espanha. Pablo Iglesias é, além disso, o preferido dos entrevistados em todos os cenários para ocupar o cargo de presidente do Governo (primeiro-ministro).