Itália ainda busca dezenas de desaparecidos da balsa incendiada

Autoridades resgataram 427 passageiros e recuperaram dez cadáveres na segunda-feira

Sobreviventes, em um avião C-130 da Força Aérea grega.
Sobreviventes, em um avião C-130 da Força Aérea grega.Ministerio de Defensa de Grecia (EFE)

Os números não batem. E o resultado poderia acrescentar gravidade na tragédia que mantém Roma apreensiva, no comando da operação de salvamento, mas também Atenas e Tirana, desde a comunicação do incêndio, na madrugada de domingo, da balsa italiana que zarpou de Patras (Grécia) para Ancona (Itália) e chegou, empurrada pela força do mar em plena tempestade, em águas albanesas. Na manhã de terça-feira, dois marinheiros albaneses morreram após o rompimento do cabo de aço que amarrava seu rebocador com a balsa acidentada.

MAIS INFORMAÇÕES

Em uma entrevista coletiva realizada ao meio-dia (9h de Brasília) de terça, o promotor de Bari, Giuseppe Volpe – cuja Promotoria abriu uma investigação criminal para esclarecer as causas do ocorrido – confirmou que começaram a recolher os depoimentos dos náufragos, além de confiscar os celulares com os quais foram gravadas imagens do fogo e da evacuação do navio. Na sequência, deu novos números: a lista oficial de 478 pessoas foi aumentada com mais 18 passageiros; no total, “’499 pessoas” viajavam no Norman Atlantic, incluindo a presença de 3 imigrantes clandestinos (dois afegãos e um sírio) “escondidos no porão do barco”, reconheceu o promotor.

Um deles, Ramazan Mohammadi, explicou para o jornal La Repubblica que viajava escondido em um dos mais de cem caminhões que a embarcação transportava, e que quando viu o fogo (iniciado exatamente na garagem) se jogou no mar: “me colocaram em um bote salva-vidas e fechei os olhos (...) pensei que teria sido melhor morrer debaixo das rodas do caminhão que deveria me levar para a Itália do que no meio daquele inferno”.

Segundo afirmações de Giuseppe Volpe na entrevista concedida na Capitania do porto de Bari, “tememos que quando os restos do barco forem recuperados, outros cadáveres sejam descobertos” de imigrantes clandestinos que ficaram presos e que aumentariam a lista de 10 vítimas mortais. Na realidade, esse número aumentou para 12 na manhã de terça-feira, com o falecimento de dois marinheiros albaneses, atingidos por um cabo de aço tentando rebocar o que resta do barco até o porto albanês de Vlorë.

Enquanto isso, o barco anfíbio militar italiano San Giorgio, após continuar na zona do naufrágio como apoio na recuperação dos corpos das vítimas mortais, continua atrasando sua chegada ao porto de Brindisi, onde é esperado desde a segunda-feira o desembarque dos 214 náufragos que, segundo as últimas cifras fornecidas pelo Promotoria de Bari, viajam a bordo. Entre eles os 56 membros da tripulação e o capitão da balsa, Argilio Giacomazzi, batizado pela imprensa italiana como “o anti-Schettino” porque, ao contrário do capitão do Costa Concordia em 2012, dessa vez foi o último a sair do barco. Seguindo o procedimento habitual, tanto ele como o armador da embarcação serão interrogados e poderão responder pela acusação de “naufrágio por imprudência” e homicídio imprudente múltiplo.

O mal tempo impediu o navio mercante Aby Jeannette, com a bandeira de Malta, de chegar ao porto de Manfredonia (Puglia) e agora se dirige para Taranto (na Apúlia, sul da Itália) com 39 náufragos a bordo. E contando os náufragos que já estão em terra, o promotor Giuseppe Volpe ainda busca 179 pessoas que estão nas listas publicadas, quatro vezes mais do que a cifra de possíveis “desaparecidos” com a qual a imprensa italiana abriu a edição da manhã de terça-feira. Mas elas, assegurou, “provavelmente a maioria” devem estar “a bordo dos dois navios mercantes que ajudaram nos trabalhos de resgate e que se dirigem para a Grécia”.

Arquivado Em: