Papa Francisco foi crucial na mediação entre EUA e Cuba

Obama e Castro agradecem envolvimento “pessoal” do Pontífice nas negociações

O Papa Francisco nesta quarta-feira, no Vaticano.
O Papa Francisco nesta quarta-feira, no Vaticano.L'OSSERVATORE ROMANO (EFE)

Menos de dois minutos separaram os pronunciamentos dos presidentes dos Estados Unidos, Barack Obama, e de Cuba, Raúl Castro. Os dois líderes anunciaram nesta quarta-feira o restabelecimento das relações diplomáticas entre seus países, e ambos agradeceram a mediação de um personagem-chave: o papa Francisco.

Mais informações

“Obrigado. Especialmente ao papa Francisco”, declarou Obama poucos minutos depois das 15h (hora de Brasília). O líder cubano – que, em seu discurso transmitido ao vivo de Havana vestia a farda de general que caracteriza os dirigentes do regime castrista – também agradeceu o trabalho do Pontífice e das autoridades do Canadá, onde as negociações ocorreram, “por facilitarem” o diálogo bilateral.

A resposta do Papa não tardou. Segundo nota divulgada pelo Vaticano, Jorge Mario Bergoglio “sente prazer vivamente” pelo anúncio do restabelecimento das relações entre EUA e Cuba, “a fim de superar, pelo interesse dos respectivos cidadãos, as dificuldades que marcaram sua história”.

O Papa escreveu nos últimos meses a Obama e Castro convidando-os a resolver questões humanitárias

Francisco, segundo o mesmo comunicado da Santa Sé, escreveu durante os últimos meses a Obama e a Castro “convidando-os a resolver questões humanitárias de comum interesse, como a situação de alguns detidos”. Além disso, o Vaticano acolheu em outubro passado as delegações de ambos os Governos, segundo a nota.

Obama destacou ainda o envolvimento “pessoal” de Francisco no processo de iniciar a normalização das relações diplomáticas bilaterais, que estavam congeladas desde 1961, quando o Congresso dos EUA impôs o embargo a Cuba.

Também na quarta-feira, os dois presidentes anunciaram uma troca de três cubanos presos na Flórida (Gerardo Hernández, Ramón Labañino e Antonio Guerrero) por um norte-americano (Alan Gross) detido em Cuba desde 2009.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: