Cinco motivos pelos quais Lima é a capital do planeta

Cúpula Climática deve lançar bases para próximo acordo que evite aquecimento global

O gelo ártico está cada vez mais fino.
O gelo ártico está cada vez mais fino.SERGIO ROSSI

Já é sabido em todos os cantos do planeta que o atual ritmo de aquecimento global terá um impacto sem precedentes na economia mundial, com consequências nefastas para seus habitantes. E também que o tempo para que os governos façam acordos definitivos e duradouros está se esgotando.

Mas esse tempo limitado pode parar em Lima, pelo menos por uma semana. Especialistas internacionais, organismos multilaterais e representantes de 195 países se reúnem na capital do Peru e traçam as linhas gerais para o rascunho de um novo acordo mundial para reduzir as emissões de carbono, que deverá ser materializado no ano que vem na cúpula de meio ambiente em Paris.

MAIS INFORMAÇÕES

Este está destinado a se transformar no ponto de partida de um novo modelo de desenvolvimento que deverá abandonar gradualmente os combustíveis fósseis para colocar as energias renováveis no centro do tabuleiro. O mundo está preparado para esse cenário?

Estas são as cinco metas principais discutidas esta semana em Lima, em cuja resolução estão depositadas as esperanças de um mundo mais consciente e respeitoso com o meio ambiente:

1) Fixar um preço internacional do carbono

Segundo especialistas, estabelecer um preço para o carbono é um dos passos necessários para evitar que a temperatura do planeta aumente 4oC nas próximas décadas. A razão é a seguinte: com um preço previsível do carbono podem ser implementados investimentos seguros que não resultem em mais emissões.

A boa notícia é que na Cúpula do Clima da ONU em setembro passado, 74 países e mais de 1.000 empresas e investidores manifestaram seu apoio para fixar um preço para o carbono. Embora as negociações sobre um acordo climático global ainda estejam em andamento, atualmente 39 países e 23 entidades regionais e locais já fixaram um preço para o carbono, ou têm planos concretos para isso. Esses países são responsáveis por 22% das emissões mundiais.

O debate na COP 20 de Lima é focado não tanto em quando um preço pode ser fixado, mas como seria possível adotar a medida de forma imediata.

2) Mobilizar os setores público e privado para conseguir mais na luta contra a mudança climática

Segundo a Agência Internacional de Energia (AIE), o mundo precisa de cerca de 1 trilhão de dólares (2,6 trilhões de reais) anuais para combater os efeitos da mudança climática e reduzir suas consequências.

Como é impossível que o setor público movimente essa quantidade de dinheiro, o debate atual é centrado em como atrair fundos do setor privado. A alternativa dominante é a seguinte: os investimentos públicos devem ser administrados eficientemente para que eles mesmos atraiam capital privado. Quer dizer, o dinheiro público deve se tornar uma espécie de chamariz que provoque o investimento das empresas. Para isso, os especialistas concordam que os investidores precisam ter confiança nas políticas públicas para fazer negócios a longo prazo.

É nesse processo que a participação de organismos multilaterais pode ajudar os investidores privados na obtenção do grau de confiança necessário para realizar seus desembolsos.

3) Reduzir as emissões de carbono entre 40% e 70% em 2050 e para zero até 2100

Segundo o relatório do Banco Mundial, as emissões totais de gases de efeito estufa devem começar a cair nos próximos anos e chegar a zero na segunda metade do século, com o objetivo de evitar os piores efeitos da mudança climática.

Um relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) avalia se as promessas feitas pelos países estão no caminho para cumprir a meta acertada internacionalmente de manter o aquecimento global abaixo de 2oC. A resposta é que, por enquanto, não estão cumprindo as promessas.

O recente pacto entre os EUA e a China (os dois países mais poluentes) sobre a redução de emissões oferece certa esperança, embora continue sendo urgente um compromisso mais firme e amplo. O acordo prevê que os EUA reduzam suas emissões de gases de efeito estufa entre 26% e 28%, enquanto a China começará a reduzi-las a partir de 2030.

4) Utilizar as cidades como plataforma de um mundo sustentável

As cidades são os motores do crescimento econômico — representam 80% do PIB mundial — mas também consomem dois terços da energia do planeta e respondem por 70% das emissões de gases de efeito estufa.

Devido a esses números, parece evidente que as cidades são essenciais para abordar o problema da mudança climática. O ideal de cidade que se planeja — ainda muito distante da realidade — é o seguinte: núcleos urbanos com baixas emissões de carbono e pouca contaminação, com amplo uso de energias limpas, e que sejam inclusivos, economicamente competitivos e que coloquem os cidadãos e seu bem-estar no centro da ação. De volta à realidade, atualmente apenas 2% das cidades de todo o mundo têm planos de ação climática.

Paralelamente, só na América Latina 29 milhões de pessoas moram em cidades costeiras vulneráveis ao aumento do nível do mar e ciclones tropicais (ambos fenômenos estão propensos a aumentar em um mundo mais aquecido). Isso torna imprescindível uma maior quantidade de fundos para criar infraestruturas mais seguras e adaptadas, sistemas mais eficazes de monitoramento do clima e melhores serviços para as populações mais afetadas.

De todas as formas, o impulso mundial está crescendo: na Cúpula do Clima da ONU, vários organismos internacionais concretizaram uma aliança de financiamento climático para estimular os investimentos em infraestrutura urbana que respeite o meio ambiente.

5) Criar mecanismos para desenvolver energias mais limpas e eficientes

Os temas do setor de energia que estão sobre a mesa em Lima são os seguintes: quais são as medidas políticas mais eficientes para conter as emissões e expandir a eficiência energética, e como propiciar uma mudança generalizada em direção às energias renováveis.

A iniciativa global Energia Sustentável para Todos propõe três objetivos para 2030: acesso universal à eletricidade e combustíveis limpos para cozinhar; duplicar a porcentagem de energia proveniente de fontes renováveis (de 18% a 36%); e duplicar a taxa de melhora de eficiência energética. Oitenta e cinco países optaram por essa iniciativa, e muitos atores públicos, privados e não governamentais estão apoiando sua implementação.

Robert Valls é produtor on-line do Banco Mundial

Arquivado Em: