Os fiéis voltam a Al Aqsa com a polícia em alerta por causa dos distúrbios

O acesso está limitado aos muçulmanos maiores de 50 anos O Governo palestino de Mahmoud Abbas, faz um chamado a uma “sexta-feira da ira”

Depois do histórico fechamento da Esplanada das Mesquitas acontecido na quinta-feira, algo que não havia acontecido desde a ocupação israelense em 1967, os fiéis muçulmanos tiveram acesso na sexta ao recinto desde a oração do amanhecer. As autoridades israelenses decidiram na noite anterior levantar o veto sobre o terceiro lugar santo do Islã, mas com limitações. Só puderam entrar os homens maiores de 50 anos e as mulheres. Tentam evitar a presença de rapazes jovens, que podem iniciar confusões em um momento no qual a raiva pelo bloqueio a Al Aqsa e à Rocha é palpável nas ruas.

Mais informações

Micky Rosenfeld, porta-voz da polícia de Israel, explica que “foi aplicada a decisão de fechamento por causa da previsão de incidentes e distúrbios. Agora que se tomaram todas as precauções oportunas, ela foi reaberta.” O presidente palestino, Mahmoud Abbas, declarou na quinta que a decisão era uma provocação, “uma declaração de guerra”, visão apoiada majoritariamente pelo mundo árabe. “É terrorismo de Estado”, declarou na noite de quinta-feira o ministro de Assuntos Islâmicos da Jordânia, Hayel Daoud, que lembrou que este tipo de ação “coloca em perigo” a estabilidade dos acordos com Israel, que foram assinados há exatamente 20 anos.

As barreiras amarelas estão espalhadas por todo o perímetro da Cidade Velha, pela previsão de incidentes quando acabar a oração do meio-dia, a principal da sexta-feira, dia central de oração para os muçulmanos. A quantidade de policiais – a pé, a cavalo e com carros – é importante. Tanto o Fatah quanto o Hamas e a Jihad Islâmica fizeram um chamado a seus seguidores para realizarem um “dia de fúria” com o objetivo de mostrar seu descontentamento com o fechamento da Esplanada. A chuva poderia reduzir a quantidade de manifestantes.

Na noite de quinta-feira ocorreram incidentes isolados em diversos bairros de Jerusalém Leste, incluindo Abu Tor, onde vivia Muatnaz Hijazi, o palestino suspeito de disparar, na noite de quarta-feira, contra o rabino ultra Yehuda Glick, líder de um movimento radical que reivindica o controle judeu da Esplanada, que eles chamam Monte do Templo. O enterro do jovem foi realizado no meio da noite, só com a presença de 45 familiares autorizados pela polícia, para reduzir não apenas um cortejo importante, mas o ataque de judeus que quisessem se vingar dos disparos contra seu líder. Glick, segundo o último relatório médico, melhorou ligeiramente embora seu estado continue sendo grave. A família de Hijazi, por outro lado, insiste em que ele não teve nada a ver com o ataque e denuncia que foi “assassinado a sangue-frio”, indica a Agência Maan.

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, mostrou sua “preocupação” pela escalada de tensão em Jerusalém. “É absolutamente fundamental que todas as partes atuem com moderação, se abstenham de realizar atos de provocação e retórica e seja preservado o status quo do Haram al Sharif (como é conhecida a Esplanada), no discurso e na prática”. Sua mensagem foi ratificada por Jen Psaki, porta-voz do Departamento de Estado, que reclamou a reabertura permanente do recinto santo.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50