Os políticos lamentam a morte do socialista

O ex-governador de Pernambuco, dizem, era um expoente da defesa à democracia e lutava pela justiça social

Marina Silva e Eduardo Campos.
Marina Silva e Eduardo Campos.UESLEI MARCELINO (REUTERS)

A morte do candidato à presidência pelo Partido Socialista Brasileiro, Eduardo Campos, de 49 anos, chocou políticos de diferentes siglas brasileiras. Nas redes sociais, a vice de sua candidatura, Marina Silva, lamentou. “Todos estamos chocados com a morte de Eduardo Campos, em queda de avião hoje de manhã". Marina Silva segue agora para Santos (SP).

Em nota, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, ofereceu seus sentimentos em nome dos paulistas. "O Brasil deixa de contar com uma liderança jovem, promissora, que teria muito a contribuir para o país. E eu perco um amigo. São Paulo está em luto oficial pelos próximos três dias."

Rui Falcão, presidente nacional do PT, também disse que o partido está em luto. “Campos, presidente do Partido Socialista Brasileiro, dedicou sua vida à política e à luta pelos menos favorecidos, em particular, pela população carente do Nordeste. Deixa um grande vazio na política brasileira", afirmou, por meio de nota, em que lembrou as passagens de Campos como ministro da Ciência e Tecnologia nas gestões do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O senador petista Eduardo Suplicy, ex-aliado de Campos, disse com a voz embargada ao EL PAÍS: “O Brasil perde uma grande valor. Campos defendia a democracia e lutava pela justiça social em nosso país. A sua morte é uma lástima, ocorre em um momento de pobreza na política nacional. Teríamos uma eleição bonita com três candidatos que fortaleceriam a democracia. Agora, fica um vazio no país".

Geraldo Julio, prefeito de Recife, afirmou em uma coletiva de imprensa que "é um momento de muita dor". É uma perda irreparável, um jovem de 49 anos, que fez tanto por tantos pernambucanos e que deixa muita dor, não tem como expressar ou medir."

O candidato do PC do B ao governo do Maranhão, Flávio Dino, declarou que "a dor é proporcional à gratidão pessoal que tenho por Eduardo, que sempre foi muito solidário e leal com a nossa luta no Maranhão”.

Em nota, o Partido dos Trabalhadores (PT), sigla por qual concorre à reeleição Dilma Rousseff, solidarizou-se com a família e correligionários de Campos. “Em função deste trágico fato, a direção nacional do Partido dos Trabalhadores decidiu cancelar todas as atividades públicas referentes à campanha eleitoral 2014 nas esferas nacional, estadual e municipal, em manifestação de luto com duração de três dias”, declarou.

Em nota oficial do Planalto, a presidenta declarou que "Eduardo foi uma grande liderança política. Desde jovem, lutou o bom combate da política, como deputado federal, ministro e governador de Pernambuco, por duas vezes".

O presidenciável tucano, Aécio Neves, também cancelou a agenda pública e divulgou sua nota de pesar. "É com imensa tristeza que recebi a notícia do acidente que vitimou o ex-governador e meu amigo Eduardo Campos. O Brasil perde um dos seus mais talentosos políticos, que sempre lutou com idealismo por aquilo em que acreditava. A perda é irreparável e incompreensível. Nesse momento, minha família e eu nos unimos em oração à família de Eduardo, seus amigos e a milhões de brasileiros que, com certeza, partilham a mesma perplexidade e pesar", disse.

A campanha de Eduardo Jorge, do Partido Verde (PV), à presidência também suspendeu os seus compromissos de campanha. “Esta perda é muito triste para o país. Eduardo Campos era uma liderança muito jovem e muito importante para o Brasil. Toda minha solidariedade à família.”

O vice-presidente Michel Temer declarou que "Eduardo Campos era um político de princípios e valores herdados de sua família e levados com dignidade e honra por toda sua trajetória no Parlamento e no Executivo. Assim como todo o país, estou chocado com esse acidente e com as perdas para amigos e familiares".

A morte de Campos também repercutiu nos EUA. Caitlin Hayden, porta-voz do Conselho de Segurança da Casa Branca, emitiu uma nota expressando suas "profundas condolências para a família e para o povo brasileiro". "Os pensamentos e as preces dos americanos estão com o Brasil nesta trágica ocasião", apontou a nota.

Arquivado Em: