Terapia contra o fantasma de Neymar

A psicóloga Regina Brandão voltou para ajudar a seleção a lidar com a ausência de sua estrela

Scolari e a psicóloga Regina Brandão, em abril.
Scolari e a psicóloga Regina Brandão, em abril.NELSON ALMEIDA (AFP)

Regina Brandão, a psicóloga de cabeceira de Luiz Felipe Scolari, voltou neste domingo para Teresópolis para ajudar a seleção a lidar com a ausência de sua estrela, Neymar Jr., e elevar a moral de uma equipe "abalada", como admitiram os médicos e a comissão técnica. Rodeados por centenas de torcedores que aproveitaram um domingo esplêndido para irem à serra do Rio de Janeiro, os 22 jogadores disponíveis treinaram na Granja Comary e se encontraram em seguida com Brandão, na última hora da tarde. Foi a terceira sessão com a especialista em psicologia esportiva, que elaborou um perfil confidencial de todos os jogadores. O espírito do grupo está ainda mais baixo por causa da notícia da morte do avô de Marcelo, seu mentor no mundo do futebol.

A principal preocupação do técnico brasileiro não é procurar um jogador para fazer o papel de Amarildo (o atacante que substituiu o machucado Pelé em 1962 e ajudou o Brasil a ganhar a Copa do Mundo), mas a digestão do corte de Neymar. Muitos jogadores choraram na sexta-feira e no sábado. Um deles chegou a dizer ao médico da seleção que parecia que haviam perdido para a Colômbia: não houve comemorações por terem conseguido retornar às semifinais de uma Copa depois de 12 anos. A tragédia pessoal da estrela brasileira comoveu os torcedores, e Scolari começou o "trabalho de conscientização" dos jogadores, como afirmou em uma entrevista à TV Globo.

"Quando aconteceu a lesão, Marcelo estava ajoelhado ao lado de Neymar e perguntou o que ele estava sentindo: 'Não sinto as minhas pernas', afirmou. Assustado, chamou o médico, que não tinha permissão para entrar em campo", contou 'Felipão'. "Os jogadores ficaram abatidos, tristes. Aquilo os abalou bastante. A imagem de Neymar em uma maca sendo transportado para o avião, as dificuldades, o choro... [...]. Mas em toda tragédia surge uma oportunidade de fazer algo diferente. É isso que vamos fazer", prometeu o técnico.

O congestionamento para chegar à concentração brasileira, causado pelos controles policiais e o barulho dos torcedores, contrastava com o ambiente apagado que era perceptível no interior das instalações. Nos escritórios da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), a outra grande preocupação é a Comissão Disciplinar da FIFA. O seu diretor de comunicação Rodrigo Paiva acordou com a sanção de três partidas por ter agredido o jogador chileno Pinilla no Estádio Mineirão. Scolari o defende veementemente, assim como contesta o cartão amarelo que o árbitro espanhol Carlos Vellasco deu ao capitão Thiago Silva e pediu que a CBF recorra, à espera da anulação que permitiria ao zagueiro do Paris Saint-Germain enfrentar a Alemanha.

Os jogadores contaram que Neymar, embora com lágrimas nos olhos, estava animado no voo que o levou ao Rio de Janeiro depois da vitória sobre a Colômbia. Além da sua terapeuta predileta, Scolari tem outras cartas na manga: a presença do próprio Neymar em Belo Horizonte na manhã de terça-feira. "Nosso camisa 10 estará conosco, seja no banco de reservas ou nas arquibancadas. É o que pedimos. Depende do seu estado, mas tenho certeza que ele virá", apostou o treinador. Tudo depende do raciocínio que Thiago Silva realizou na própria sexta-feira: "Isso pode unir ainda mais o grupo e nos fazer dar a vida pela vitória na próxima partida".

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: