comércio internacional

A Aliança do Pacífico inicia a sua expansão para os países asiáticos

A abertura programada representa um objetivo no médio prazo e de difícil realização, mas mostra a vitalidade da plataforma que representa 36% do PIB da América Latina

Humala, Bachelet, Peña Nieto e Santos, no México.
Humala, Bachelet, Peña Nieto e Santos, no México.G. Camacho (EFE)

A Aliança do Pacífico amplia seus alvos. Depois de um fulgurante início, que levou esta plataforma de integração econômica formada por México, Colômbia, Chile e Peru, a converter-se em apenas três anos em uma das turbinas comerciais da América Latina, inicia uma etapa de expansão para seus dois polos naturais de atração: as potências asiáticas e o Mercosul. Este planejamento estratégico foi o assunto da cúpula que reuniu nesta sexta no enclave tropical de Punta Mita (Nayarit, México) os presidentes dos quatro países associados.

“Estamos frente à uma integração pragmática e aberta; baseada no livre mercado, o respeito aos direitos humanos e as políticas de redistribuição. Agora se inicia uma segunda etapa de desenvolvimento e aprofundamento, na qual é necessário buscar áreas de colaboração”, afirmou o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, após assumir a chefia da aliança substituindo seu homólogo colombiano, Juan Manuel Santos. A área, que deu um grande passo ao eliminar recentemente as tarifas alfandegárias de 92% dos produtos, também agilizou as transações comerciais e reduziu a exigência de vistos.

A abertura programada para os titãs do oeste, incluindo o Japão, representa um objetivo a médio prazo e de difícil realização, mas mostra a vitalidade de uma zona que representa 36% do PIB da América Latina, 41% do investimento estrangeiro e 50% de seu comércio internacional. “A Aliança é um projeto maduro em seu núcleo de fundação, chegou o momento de abri-lo para o Pacífico. A cooperação com os países asiáticos não tardará, será um processo rápido”, assinalou Guajardo, que incluiu na esfera de interesses potências como a Austrália e Nova Zelândia.

Junto com sua expansão asiática, a primeira linha estratégica traçada na cúpula é a aproximação com o Mercosul, a outra grande área comercial da América Latina, formada pelo Brasil, Argentina, Venezuela, Bolívia, Uruguai e Paraguai. Este enfoque coloca dúvidas sobre a rivalidade entra ambas as entidades, não apenas por motivos de concorrência econômica, mas também pelos modelos de redistribuição e gasto social que representam. “Nos parece que além das legítimas diferenças, um acordo é possível e necessário”, disse a presidente chilena, Michelle Bachelet.

Muito mais antigo do que a Aliança, o Mercosul entrou em uma fase de letargia. O Brasil, seu gigantesco sócio, sofre claros indícios de anemia econômica, enquanto a Venezuela e a Argentina, cada uma a seu modo, são submetidas a fortíssimas turbulências. O resultado é que as previsões de crescimento para o Mercosul não passam de 1,1% para este ano, três vezes menos do que a Aliança do Pacífico, segundo o BBVA Research. “Não buscamos competir, e sim colaborar. A união faz a força. A América Latina não existe sem o México ou o Brasil. E existem elementos de cooperação comum fáceis de abordar”, detalhou para este periódico o secretário de Economia mexicano, Ildefonso Guajardo, um dos cérebros da decisão.

A cúpula, a nona desde seu nascimento, criou um instrumento de cooperação com a OCDE para fortalecer as pequenas e medias empresas. Este segmento possui um enorme peso. Só no caso do Peru representa 70% dos empregos, como lembrou o presidente peruano, Ollanta Humala. Esta atomização da estrutura empresarial tem também um forte impacto no México, aonde mais de 90% das companhias são de pequeno tamanho. “É necessário desregular para aumentar a competitividade das empresas”, indicou Peña Nieto.

A reunião dos presidentes, diferentemente da anterior, terminou sem grandes avanços, mas com a ideia, expressada por todos os mandatários, de que o caminho empreendido em abril de 2011 sugere um “modelo de sucesso”. “Cada vez que nos reunimos avançamos. Parecemos apaixonados”, brincou Santos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS