O Rei da Espanha sanciona a lei orgânica da sua abdicação para Felipe VI

Depois da sanção, dom Juan Carlos cedeu ao seu filho a cadeira elevada que simboliza o trono

Dom Juan Carlos e dom Felipe no início do ato de assinatura da abdicação.
Dom Juan Carlos e dom Felipe no início do ato de assinatura da abdicação.JUAN MEDINA (REUTERS)

O pai se fundiu em um emocionado abraço com seu filho, ambos muito emocionados. E o rei Juan Carlos cedeu sua cadeira, representação do trono, ao novo rei, Felipe VI. Eram 18h15 em Madri (13h15 em Brasília), e o Monarca acabava de assinar sua última lei, a da sua própria abdicação, com a que punha fim a quase 39 anos de reinado.

A cerimônia, sóbria, solene e curta, esteve repleta de gestos e de simbolismo. Dona Sofía beijou dom Juan Carlos. A assinatura aconteceu na chamada Mesa das Esfinges, no Salão de Colunas do Palácio Real, a mesma sobra a qual foi assinado em 1985 o tratado de adesão da Espanha à Comunidade Econômica Europeia.

Mais informações

Dom Juan Carlos firmou sua última lei como Monarca com uma caneta-tinteiro dourada, depois que o subsecretário do Ministério da Presidência, Jaime Pérez Renovales, leu o texto da lei, de um só artigo, e as palavras com as quais o Monarca explicou no último dia 2 de junho os motivos da sua abdicação. Na primeira fila estavam os três poderes do Estado: Mariano Rajoy (Executivo), Jesus Posada, Pio García-Escudero (ambos do Legislativo), Carlos Lesmes e Francisco Pérez de los Cobos (Judiciário). E a família: a infanta Elena que mal conseguia conter a emoção, sentada ao lado de Leonor, a nova princesa das Astúrias, e da infanta Sofía, que saltaram dos seus assentos para beijar os seus avós após da assinatura da lei de abdicação.

Os cerca de 160 convidados receberam e se despediram dos reis com um largo aplauso. O hino da Espanha tocou três vezes: na entrada do rei no Palácio Real, e duas vezes mais durante a cerimônia. Dom Juan Carlos escutou pela última vez os 21 tiros de canhão, ou salvas, que lhe cabem como rei. Amanhã não assistirá a cerimônia de proclamação de seu filho. Quer ceder-lhe todo o protagonismo.

Entre os convidados estava todo o Governo, os presidentes das comunidades autônomas, menos Artur Mas, que enviou seu número dois, Joana Ortega, e Iñigo Urkullu. Os porta-vozes dos partidos com representação parlamentar, exceto os que votaram contra ou se abstiveram do debate sobre a lei de abdicação, os três ex-presidentes do Governo, Felipe González, José María Aznar e José Luis Rodríguez Zapatero, e os pais da Constituição Miguel Roca, José Pedro Pérez Llorca e Miguel Herrero y Rodríguez de Miñon. Também compareceu o secretário geral da entidade patronal, Juan Rosell, e o da UGT, Cándido Méndez, mas não estava o líder da CCOO, Ignacio Fernández Toxo, que enviou seu secretário de comunicação, Fernando Lezcano. O núncio Renzo Fratini, representando o corpo diplomático da santa Sede baseado na Espanha, também compareceu.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: