Rousseff e Chávez, as duas faces da América Latina segundo Hillary Clinton

A América Latina é uma região em que vale a pena apostar, diz a ex-secretária de Estado

Hillary Clinton, durante um evento em abril.
Hillary Clinton, durante um evento em abril.David Paul Morris / Bloomberg

Dilma Rousseff como o modelo de “líder formidável” e exemplo do avanço da democracia na América Latina. Hugo Chávez como um “ditador autoengrandecido”, que constituía mais uma “irritação do que uma ameaça real, exceto para seus próprios cidadãos”. É assim que a ex-secretária de Estado Hillary Clinton enxerga as possibilidades e limitações da América Latina. Ela dedica à região um capítulo inteiro de seu livro de memórias Hard Choices [decisões difíceis], lançado nesta terça-feira.

Até o título é significativo: “América Latina: Democratas e Demagogos”. De acordo com Clinton, cujas memórias são consideradas um trampolim para sua candidatura presidencial em 2016, é necessário superar a “imagem ultrapassada” que muitos norte-americanos têm da América Latina como uma região “de golpes de Estado e criminalidade”. A região, diz ela, conseguiu “notáveis avanços econômicos e políticos nos últimos 20 anos” e há “muito a aprender” com essa transformação.

Mais informações

Há muito a aprender, por exemplo, com o Brasil e sua presidenta, Dilma Rousseff. “Eu a admiro e gosto dela”, diz Clinton. “Ela pode não ter a graciosa ousadia de Lula ou a experiência técnica de [Fernando Henrique] Cardoso, mas tem um intelecto forte e muita garra”, avalia. E aponta o seu gerenciamento dos protestos sociais de 2013 como um exemplo de ação democrática: “Em vez de desprezar ou bater e prender manifestantes, como fizeram muitos outros países, incluindo a Venezuela, Dilma se juntou a eles, reconheceu as suas preocupações e pediu que trabalhassem com o governo para resolver os problemas”.

Clinton tem também boas recordações de outra presidenta da região, a chilena Michelle Bachelet, a quem define como “aliada e amiga”, e da ex-chanceler mexicana Patricia Espinosa, uma de suas “colegas favoritas”. Por outro lado, é significativo o silêncio que mantém sobre outra líder regional de sua época, a argentina Cristina Fernández de Kirchner, a quem não menciona nas 600 páginas de memórias.

Do outro lado da moeda de uma América Latina sempre complexa, Clinton fala de “demagogos” como Chávez ou o presidente deposto de Honduras Manuel Zelaya, uma “reminiscência da caricatura do homem forte centro-americano, com seu chapéu de caubói branco, seu bigode negro-azeviche e sua afeição por Hugo Chávez e Fidel Castro”.

Nas 20 páginas que dedica à região, Clinton se detém especialmente nos acontecimentos que se seguiram ao golpe de Estado que derrubou Zelaya e nos esforços conjuntos realizados para superar a crise. Mas salienta, citando o negociador proposto por ela mesma, o presidente costa-riquenho Oscar Arias, que foi um esforço feito “por princípios” e por medo de que o golpe em Honduras causasse um “efeito dominó” na América Latina, não por simpatia pelo governante deposto.

O presidente Barack Obama iniciou seu governo com a promessa de tratar a América Latina em uma relação “entre iguais” e de uma flexibilização da política para Cuba – também recomendada por Clinton e que foi recebida com aplausos. Mas os conflitos internacionais que infestaram seu mandato voltaram a afastar da região a atenção de Washington, como aconteceu em governos anteriores.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50