Le Pen pai faz uma piada antissemita e arruína a estratégia de sua filha

A presidenta da Frente Nacional critica seu pai em público pela primeira vez

Marine Le Pen e seu pai, Jean-Marie Le Pen, em 2011.
Marine Le Pen e seu pai, Jean-Marie Le Pen, em 2011.MIGUEL MEDINA (AFP)

Marine Le Pen passou três anos maquiando o discurso da Frente Nacional, colocando camadas de Botox sobre as rugas fascistas e xenófobas do velho partido de extrema direita. Em um instante, seu pai, Jean-Marie Le Pen, octogenário fundador da Frente Nacional (FN) e presidente vitalício, jogou por terra essa estratégia com um de seus habituais comentários. No domingo, o recém-eleito eurodeputado atacou os artistas que criticam a FN e afirmou, falando sobre o ator e cantor Patrick Bruel, que é judeu: "Na próxima vez vamos passá-lo pelo forno."

A piada antissemita levou a que duas associações pró-direitos humanos denunciassem o ex-paraquedistas nos tribunais, onde já foi condenado duas vezes por negacionismo. A novidade é que a piada deixou a Frente Nacional no pior lugar possível depois que Marine Le Pen conseguiu uma importante vitória nas eleições europeias, convertendo seu partido na primeira força política do país.

MAIS INFORMAÇÕES

Pela primeira vez, a sucessora enfrentou em público seu pai e classificou como um "erro político" suas palavras, matizando que deveria ter previsto que iam ser mal-interpretadas, e concluindo que a Frente Nacional "condena com firmeza toda forma de antissemitismo".

Em outros escalões do partido, Gilbert Collard, um dos dois deputados nacionais da FN, aconselhou Le Pen pai a fazer como o Rei da Espanha e pensar em sua aposentadoria. O vice-presidente Florian Philipott afirmou que o fundador utilizou palavras inapropriadas e excessivas, mas negou que sejam antissemitas. Louis Aliot, companheiro sentimental de Marine Le Pen e também vice-presidente, afirmou que os termos empregados pelo fundador "são desoladores e estúpidos politicamente”. Le Pen pai respondeu a Aliot dizendo que, se há gente em seu campo que pensa isso, “é porque são uns imbecis”.

A polêmica supõe um duro golpe para a imagem de normalidade edificada pela presidenta desde que, ao assumir o comando do partido em janeiro de 2011, assegurou que os campos de extermínio nazistas foram "o sumo da barbárie". Nos últimos meses, a líder, advogada de 46 anos, tinha ameaçado levar aos tribunais todos que associassem a etiqueta "extrema direita" com a FN.

Nesses dias, Marine Le Pen está tentando formar um grupo no Parlamento Europeu, e está encontrando sérias dificuldades para conseguir precisamente porque alguns de seus potenciais aliados (precisa convencer seis partidos de outros tantos países) consideram que a FN é antissemita.

O objetivo a longo prazo de Le Pen é liderar um partido nacionalista, moderno, respeitável e republicano, capaz de governar a França e livre de suas velhas alianças com os grupinhos violentos nostálgicos do nazismo e do colaboracionismo.

A penúltima provocação do ancião fundador e a reação morna de sua sucessora parecem demonstrar que sob a grande camada de Botox ideológico, a Frente Nacional continua sendo fiel a suas rançosas e delitivas essências de extrema direita.