A União Europeia adota medidas mornas contra a Rússia

Bruxelas suspende a negociação de vistos e ameaça com mais sanções

A União Europeia adotou nesta quinta-feira as primeiras medidas que penalizam Moscou pela invasão da Crimeia, embora com um alcance limitado. Os chefes de Estado e de Governo suspenderam as duas principais negociações que têm abertas com a Rússia: o acordo para eliminar a exigência de vistos entre ambos os territórios e o pacto que devia englobar todas as relações políticas e econômicas entre Bruxelas e Moscou.

Trata-se de um passo adiante, embora menos ambicioso do que reclamavam os países mais beligerantes com a atitude russa e muito atrás do decidido pelos Estados Unidos, que anunciou vetos de vistos a servidores públicos e o congelamento de ativos. O presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, minimizou a importância da decisão de Washington, que considerou “muito geral” (ainda não há uma lista concreta). E advertiu que a UE passará diretamente às multas se as autoridades russas não dialogarem com as ucranianas “nos próximos dias”, segundo o comunicado conjunto dos líderes europeus. Essas medidas incluiriam a proibição de vistos, o congelamento de ativos e o cancelamento das cúpulas bilaterais com Moscou. Os técnicos trabalharão já nesse cenário para tê-lo pronto caso Bruxelas decida começar a ofensiva contra Moscou.

Merkel aposta em diálogo diante de uma posição mais dura de Cameron

As palavras da chanceler alemã Angela Merkel ao final da cúpula extraordinária celebrada nesta quinta-feira em Bruxelas revelam que até os mais partidários de dialogar com o presidente russo, Vladimir Putin, estão perdendo a paciência. “Desejamos um processo diplomático, mas nos últimos dias sofremos muitas decepções, por isso estamos dispostos a agir”, advertiu. A dirigente alemã encabeça o grupo de países mais partidários —junto a Áustria, Itália ou Espanha— a buscar uma saída por meio do diálogo.

No outro grupo, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, empregou uma linguagem muito contundente: “Temos que agir contra a agressão, defender o direito internacional e respaldar as pessoas que querem um futuro livre e europeu”. Por motivos diferentes, a posição de Cameron aproximava-se mais à de países como Polônia e os bálticos, partidários de uma maior dureza contra Putin.

A cúpula de chefes de Estado e de Governo serviu para que todos escutassem de primeira mão o relato do primeiro-ministro ucraniano, Arseni Yatseniuk, convidado especial. Van Rompuy se ofereceu para assinar a parte política do acordo de associação entre a UE e a Ucrânia —a mais genérica e menos comprometedora— antes das próximas eleições ucranianas em 25 de maio. O grosso do acordo, calculou o presidente do Conselho Europeu, deverá estar pronto até agosto.

Em um impecável inglês e diante uma abarrotada sala de imprensa, Yatseniuk reafirmou a vontade europeísta dos vizinhos ucranianos e advertiu que uma crise militar como a que vive o país “não afeta só a Ucrânia, mas toda Europa”. Yatseniuk sublinhou que Crimeia “foi, é e continuará sendo parte integrante da Ucrânia” e ameaçou a Rússia em se defender caso o país não volte atrás.

Van Rompuy oferece à Ucrânia assinar a parte política do acordo com a UE

O primeiro-ministro interino se encontrou em seguida com o secretário geral da OTAN, Anders Fogh Rasmussen, que mostrou sua predisposição de receber qualquer tipo de ajuda “técnica ou militar” que pudesse contribuir para melhorar a estabilidade na região.

Pedem ajuda

O primeiro-ministro interino da Ucrânia, Arseni Yatseniuk, pediu nesta quinta-feira "ajuda urgente" à UE para seu país e que a Rússia mostre se quer "contribuir à estabilização ou aumentar as tensões". "Esta não é só uma crise da Ucrânia, é uma crise de toda Europa", disse Yatseniuk ao final de uma reunião com o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, antes da cúpula dos líderes da UE para abordar a situação e da qual também participarão ambos. Yatseniuk sublinhou que "há possibilidades políticas, mas dependem de que a Rússia esteja disposta realmente a fazer: estabilizar a situação ou buscar aumentar as tensões".

Ao fim de sua reunião com o secretário geral da OTAN, Anders Fogh Rasmussen, o chefe do Executivo ucraniano descartou —“no momento”— a entrada de seu país na Aliança Atlântica. No entanto, Yatseniuk mostrou sua predisposição em receber qualquer tipo de ajuda “técnica ou militar” que pudesse contribuir para melhorar a estabilidade na região. “Consideramos que ainda devemos fazer o máximo para mitigar a crise com instrumentos políticos e diplomáticos; e a OTAN é um importante veículo para resolver uma crise de segurança global”.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50