_
_
_
_

A tragédia de Ceuta passo a passo

Os imigrantes subsaarianos acusam a polícia de disparar, mas os agentes negam

Jorge A. Rodríguez
O incidente na fronteira de Ceuta.
O incidente na fronteira de Ceuta.Joaquín Sánchez

Os subsaarianos, cerca de 250, tentaram atravessar em massa a fronteira fortificada de Ceuta, cidade autônoma espanhola ao norte do Marrocos, em três ocasiões. A primeira foi uma dura travessia pela cerca, em terra, na qual os imigrantes atiraram paus e pedras (segundo a Polícia civil), e os agentes espanhóis e do corpo militar marroquino dispararam balas de borracha e gás, segundo ambos. A segunda consistiu em uma tentativa de passar correndo por Tarajal (o único ponto oficial de passagem entre Ceuta e Marrocos), que foi abortada pelo fechamento dos portões e presença policial. A terceira foi uma tragédia: pelo menos nove imigrantes ilegais (corpos recuperados) faleceram afogados ou esmagados quando se jogaram ao mar para contornar o quebra-mar fronteiriço, que começa na praia. Vários imigrantes dizem que neste local foram atingidos por balas de borracha e gás lacrimogêneo. O corpo armado nega.

Primeira tentativa. Os imigrantes (400 segundo a ONG, 250 segundo o Governo) desceram das planícies do Auyal, no Marrocos, às 5h45. Foram a caminho da Biutz, a velha ponte do Tarajal, próximo ao caminho do 'Córrego das bombas', como é conhecido o local. Correndo, chegaram à cerca fronteiriça. Já era mais de sete da manhã. O choque foi “muito violento”, admitem ambas partes. Lançaram balas de borracha, gases, material anti-distúrbio. Os subsaarianos retrocederam.

Segunda tentativa. Correndo, chegam ao Tarajal às oito da manhã. Horário de pico na fronteira. As forças de segurança estão avisadas. A fronteira é fechada durante meia hora. Há conflitos isolados, principalmente por parte das forças marroquinas, que empregaram com força seus cassetetes. Nenhum imigrante conseguiu entrar na Espanha. O grupo de subsaarianos muda de objetivo. Vai ao mar.

A tragédia. O grupo entra em massa à praia, ainda no lado marroquino. Tentam superar o quebra-mar fronteiriço, reforçado com uma cerca. Os relatos dos imigrantes falam de disparos da Policia civil às boias, para afundá-los, balas de borracha e gases lacrimogêneos. A polícia marroquina nega veementemente. Não há depoimentos independentes. Nove cadáveres foram resgatados durante o dia. Os socorristas suspeitam que devem haver mais.

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_