A ‘City’ londrina não ama as mulheres

Os chefes da corretora Isabel Sitz disseram que um homem faria o trabalho melhor. O triunfo legal da madrilenha contra a financeira por discriminação sexual ilustra como a cultura machista impera no empresariado britânico

Isabel Sitz nas ruas de Londres.
Isabel Sitz nas ruas de Londres.

Machismo é uma das poucas palavras castelhanas incorporadas à língua inglesa. Mas há poucos locais no mundo mais machistas que a City de Londres. A indústria financeira é um mundo feito por homens, para homens e com o machismo como senha. Isso, ao menos, diz o cliché. E é confirmado pelas estatísticas. No Reino Unido, as mulheres ganham quase 20% menos que os homens por hora trabalhada, segundo os dados da Oficina Nacional de Estatística. Esse diferencial dispara na indústria financeira, onde as diferenças salariais chegam a até 80%.

Isso não se deve exatamente a critérios de eficácia. John Coates, em tempos estagiário em Wall Street e agora professor de Cambridge especializado em pesquisar as finanças do o ponto de vista da neurociência, acha que os homens jovens, espécie dominante nos mercados financeiros, se deixam levar por seus níveis de testosterona ao tomar decisões de compra e venda de ações. Depois de monitorar em 2009 17 corretores, todos eles homens de idades e projeções profissionais variadas de uma firma média da City, Coates e seus colegas concluíram que seus níveis de testosterona estavam relacionados com os níveis de risco dos investimentos que decidiram levar a cabo, mas não necessariamente com a qualidade dessas decisões. Em sua opinião, se a City tivesse “mais mulheres e mais homens maduros, a instabilidade financeira seria reduzida”.

Mas a City não ama as mulheres. Uma pesquisa publicada em 2009 pela Comissão de Igualdade e Direitros Humanos britânica mostrou que as diferenças no pagamento de incentivos (os famosos bônus) nas grandes empresas financeiras chegavam a ser de até 80%; que 94% das mulheres recebiam bônus menores que os dos homens; que o 63% das mulheres cobravam menos que os homens, embora fizessem o mesmo trabalho; que 86% das mulheres que haviam começado a trabalhar nos 30 meses anteriores tinham um salário inicial inferior ao dos homens. Menos da metade das empresas pesquisadas estavam fazendo algo para reduzir o diferencial de salários entre gêneros e só 23% começava uma auditoria para analisar o problema.

Algo mudou desde então? Aparentemente, não. As empresas financeiras seguem sem aplicar as recomendações da Comissão de Igualdade: transparência sobre o diferencial de salários de acordo com o gênero de seus empregados. E o recente caso da espanhola Isabel Sitz, que em novembro pasado ganhou uma ação contra a financeira Oppenheimer Europe Limited por discriminação sexual, ilustra até que ponto a cultura machista impera na City.

As diferenças salariais e no pagamento de incentivos são de até 80%

Madrilenha, de 42 anos, filha de um alemão e de uma espanhola, Isabel Sitz foi mudou-se para Washington aos 24 anos, e dali, para Nova York e, depois, para Londres. Estava no auge de sua carreira como corretora na City quando a Oppenheimer comprou em 2008 o Canadian Imperial Bank of Commerce (CIBC), para o qual ela trabalhava. Com o aval de uma lucrativa carteira de clientes montada durante mais de três anos, seus novos patrões a nomearam a responsável na Europa pelo mercado norte-americano. Tudo foi bem até que chegou um novo conselheiro da Oppenheimer Europe, o italiano Massimiliano Max Lami, que trouxe consigo como diretor-geral Robert van den Bergh, que foi montando uma equipe de corretores de sua confiança. Só com homens. Segundo a versão de Isabel Sitz ao Tribunal do Trabalho, Lami e Van den Bergh foram tiraram clientes da sua carteira, repassando-os para recém-chegados colegas homens.

Essa é uma questão central, pois ao salário base de 90.000 libras (353 mil reais) de Sitz se acrescentavam as comissões por vendas, as quais disparavam seus rendimentos entre 980 mil reais e 1,17 milhão de reais. Sem esses clientes, seus rendimentos e seu prestígio diminuíam no organograma de vendas.

Tudo isso em um meio a um crescente machismo numa companhia que os próprios corretores chamavam em seus e-mails de “Bunga Bunga Securities”, em alusão às festas com jovens prostitutas do então primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi. Noutro momento, ainda segundo a versão de Isabel, Van den Bergh lhe disse que ia transferir a outro colega as contas de certos clientes irlandeses porque pensava que um homem faria melhor esse trabalho, já que o importante com os irlandeses é “ir a uma partida de rugby e beber cerveja”.

Durante dois anos, a posição de Isabel Sitz foi se degradando. Ela via nas atitudes uma deliberada campanha para acabar contra si por ela ser mulher. Chegaram então as noites de insônia, a perda de confiança e as metas diárias de reconquistar o terreno perdido tendo de fazer isso com só três clientes próprios. Em junho de 2011, Max Lami anunciou a Sitz que, devido ao seu baixo rendiment, seu salário seria reduzido: pagariam o mínimo legal da época: 6,08 libras por hora (24 reais por hora). Isto é, entre 50.000 reais e 65.000 euros por ano. Ela pediu um tempo para pensar e numa sexta-feira de junho disse a seus chefes que estava sendo discriminando por ser mulher. Na segunda-feira foi despedida.

Sitz entrou com uma ação na Justiça por discriminação sexual e em novembro ganhou o caso em primeira instancia. Agora resta saber como ela será recompensada. Para o tribunal trabalhista, os dois pontos-chave foram que Oppenheimer Europe mentiu ao dizer que investigou adequadamente sua denúncia de discriminação sexual e, sobretudo, que a companhia não lhe ofereceu a um colega homem o mesmo castigo de redução de seu salário básico ao mínimo legal, apenas ameaçando-lhe com um corte menos drástico. Os juízes viram aí a semente da discriminação. Fizeram a vida de Isabel Sitz impossível por ela ser mulher. E a City não ama as mulheres.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete